UE apresenta plano para coletar impressões digitais de visitantes | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.02.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE apresenta plano para coletar impressões digitais de visitantes

Propostas têm por objetivo reforçar a segurança dos países da União Européia e coibir a permanência de imigrantes ilegais no bloco. Críticos afirmam que as medidas não terão o efeito desejado.

default

Estrangeiros que chegarem à UE poderão ter de fornecer suas impressões digitais

A Comissão Européia apresentou nesta quarta-feira (13/02) em Bruxelas um plano para reforçar o controle das fronteiras externas da União Européia (UE). O plano, que ainda precisa ser aprovado pelos países-membros e pelo Parlamento Europeu, prevê a coleta de dados biométricos, como impressões digitais e fotografias, de pessoas de fora do bloco que chegarem à UE.

O principal objetivo de Bruxelas é, "usando a tecnologia mais avançada, alcançar o mais elevado nível de segurança" no espaço Schengen, que foi ampliado em dezembro passado e inclui agora países-membros mais recentes. A região da Europa onde estão abolidos os controles internos de fronteira é formada por 24 países e inclui a Noruega e a Islândia, que não fazem parte da UE.

Com isso, o órgão executivo da UE pretende tornar mais rigoroso o controle nas fronteiras do espaço Schengen, prevenindo a imigração clandestina, o tráfico de seres humanos e o terrorismo, além de reduzir o número de imigrantes ilegais que morrem no mar ao tentar alcançar a costa sul do continente.

"Essas propostas promoverão a legítima livre circulação de pessoas, permitindo, ao mesmo tempo, lidar com os fluxos migratórios inesperados, especialmente nas fronteiras marítimas do sul, e diminuir o tráfico de seres humanos para a UE", comentou o comissário europeu de Justiça, Franco Frattini.

Críticas

A Comissão Européia estima que haja mais de 8 milhões de imigrantes ilegais na União Européia, 80% deles nos países do espaço Schengen. Mais da metade dos clandestinos teria entrado legalmente no espaço comunitário e simplesmente permanecido após o seu visto ter expirado. As novas propostas são direcionadas principalmente para combater essa categoria de imigrantes ilegais.

O plano foi criticado pelo comissário federal de Proteção de Dados, Peter Schaar, para quem as propostas não trarão ganhos de segurança para a UE. "O que eu vejo é um grande passo na direção do registro completo dos nossos hábitos de viagem", comentou ao site Tagesschau .

O eurodeputado alemão Wolfgang Kreissl-Dörfler também criticou o plano da Comissão Européia. "Mais e mais medidas de segurança são criadas, aprovadas e postas em prática, mas os benefícios são cada vez menos percebidos. Uma população posta sob observação do Estado sempre se sentirá mais insegura e nunca mais segura", afirmou. (as)

Leia mais