1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE apoia iniciativa da ONU por tréguas locais na Síria

Após quase quatro anos de esforços internacionais de paz fracassados, Nações Unidas apostam em ações locais de cessar-fogo. Ministros europeus do Exterior confirmam ajuda.

default

Mesquita destruída em Aleppo, segunda maior cidade síria

A União Europeia declarou seu apoio aos esforços da Organização das Nações Unidas (ONU) por um cessar-fogo em Aleppo, a segunda maior cidade da Síria. Segundo nota divulgada nesta segunda-feira (15/12), durante a conferência dos ministros europeus do Exterior em Bruxelas, o bloco "apoiará concretamente" o enviado especial da ONU Staffan de Mistura nas negociações por tréguas locais naquele país do Oriente Médio.

A UE pretende fornecer "ajuda prática" para as iniciativas de Mistura, como a reestruturação das administrações locais e dos serviços públicos. No entanto, não se alcançará a redução da violência "sem uma vigilância eficaz, de preferência ancorada no Conselho de Segurança da ONU", ressaltaram os ministros reunidos na capital belga.

Na noite de domingo, Mistura já instruíra a alta representante da UE para Política Externa e de Segurança, Federica Mogherini, e os demais chefes de diplomacia europeus sobre a situação na Síria.

Verbas para ajuda a refugiados

EU Außenministertreffen Brüssel 15.12.2014 Steinmeier mit Hahn

Ministro Steinmeier (dir) e comissário europeu Johannes Hahn na reunião em Bruxelas

Iniciados pacificamente em 2011, os protestos contra o líder político Bashar al-Assad degeneraram numa guerra civil que já dura quase quatro anos e que, segundo estimativas, já custou cerca de 200 mil vidas.

Diante do atual fracasso de todos os esforços internacionais por um fim duradouro dos conflitos sangrentos, a ONU estabeleceu como meta pelo menos obter armistícios em nível local, a fim de possibilitar o fornecimento de artigos humanitários, por exemplo.

Em Bruxelas, os ministros do Exterior também asseguraram um reforço do auxílio humanitário aos refugiados da Síria, no país e nas nações vizinhas. Até o momento, a UE disponibilizou 3 bilhões de euros para esse fim, ressaltaram.

Os chefes de pasta europeus expressaram "séria apreensão" pela escassez de verbas para as organizações humanitárias das Nações Unidas, o que há duas semanas acarretou a suspensão temporária do fornecimento de gêneros alimentícios pelo Programa Mundial de Alimentação (WFP, na sigla em inglês). A UE conclamou a comunidade internacional a redobrar seus esforços no auxílio aos refugiados sírios, tendo em vista a chegada do inverno.

Steinmeier: Líbia é perigo para Europa

Na ocasião, o chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, alertou para as consequências de um colapso da Líbia para a Europa, enfatizando a urgência de "não subestimar esse foco de crises" no Norte da África, geograficamente próximo ao continente europeu.

Desde a queda do regime ditatorial de Muammar Kadafi, em 2011, cerca de 250 milícias se combatem na Líbia. Assim, "no momento não há mais nenhuma estrutura que possa servir de base para conversações de paz".

Ainda assim, é importante reunir ao menos alguns dos "líderes relevantes" à mesa de negociações. Pois, "se a Líbia se esfacelar, isso poderá muito rapidamente ter consequências dramáticas, pelo menos para o sul da Europa", lembrou o político social-democrata alemão.

A instabilidade da região tem também despertado o temor que ela se torne reduto de fundamentalistas islâmicos. Os Estados Unidos detectaram atividades do jihadista "Estado Islâmico" (EI) na Líbia.

AV/afp/rtr/dpa

Leia mais