1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE anuncia ajuda de 11 bilhões de euros à Ucrânia

Comissão Europeia também decide congelar contas bancárias e bens na Europa de 18 ucranianos, acusados de envolvimento com atos de violência e violação dos direitos humanos durante manifestações em Kiev.

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira (05/03), em Bruxelas, uma ajuda de 11 bilhões de euros para a Ucrânia, que deve ser repassada ao país ao longo dos próximos anos.

De acordo com o presidente da comissão, José Manuel Durão Barroso, o pacote combinará verbas do orçamento da União Europeia (UE), do Banco Europeu de Investimento (BEI) e do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento (Berd).

Dos 11 bilhões de euros, 3 bilhões vão sair diretamente dos cofres da UE. Destes, 1,6 bilhão de euros será repassado como empréstimo para o pagamento de dívidas – dinheiro que poderá ser enviado já nas próximas semanas. Outro 1,4 bilhão de euros deve ser destinado como subvenção para promover o desenvolvimento do país. O BEI deverá conceder outros 3 bilhões de euros e o Berd, os 5 bilhões de euros restantes.

"Queremos ajudar na estabilização da situação econômica e financeira da Ucrânia", explicou Barroso ao anunciar o pacote de ajuda. "Esta é a primeira vez em anos que sentimos uma ameaça real à estabilidade e à paz na Europa", ressaltou o português.

Além da ajuda financeira, a Comissão Europeia propõe a implementação de algumas facilidades aduaneiras para as exportações da Ucrânia à UE, ainda que o país do leste não tenha assinado o acordo de associação com o bloco europeu.

De acordo com Barroso, um repasse que chega a 610 milhões de euros e que já havia sido autorizado no ano passado também poderá ser pago "nas próximas semanas". O então presidente ucraniano Vitor Yanukovytch, aliado da Rússia, havia rejeitado o empréstimo por não querer submeter o país às reformas econômicas e políticas exigidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Espero que a Ucrânia assine um acordo com o FMI. É importante que o governo se comprometa com as reformas e em representar todos os segmentos da população", declarou Barroso.

O pacote de curto e médio prazo anunciado nesta quarta-feira ainda precisa ser oficialmente aprovado pelos chefes de Estado e de governo da UE, que se reúnem extraordinariamente em Bruxelas nesta quinta para debater a situação na Ucrânia.

O anúncio da ajuda europeia ocorre um dia depois de os Estados Unidos confirmarem uma oferta de crédito de 1 bilhão de dólares (cerca de 730 milhões de euros) para ajudar a Ucrânia no pagamento de dívidas, especialmente do setor energético.

Além da grande turbulência política que vem enfrentando nas últimas semanas, o país encontra-se à beira da bancarrota. O novo governo, que chegou ao poder após derrubar Yanukovytch, mantém uma linha próxima do Ocidente a fim de reerguer sua economia.

Congelamento de bens

Além da ajuda financeira, a Comissão Europeia também anunciou o congelamento de contas bancárias e outros bens na Europa de 18 ucranianos, acusados de envolvimento com atos de violência e violação dos direitos humanos durante as manifestações em Kiev. A lista com os nomes das 18 pessoas será publicada nesta quinta-feira pela UE. Ainda não se sabe se o nome do ex-presidente Yanukovytch e de familiares dele constarão da lista.

A União Europeia concretiza assim a decisão de 20 de fevereiro dos ministros do Exterior sobre a aplicação das sanções aos "responsáveis pelas violações dos direitos humanos e uso excessivo da força" nos protestos de Kiev, que deixaram quase cem mortos.

MSB/dpa/lusa/afp

Leia mais