UE ameaça rever relações com Ucrânia após condenação de Timoshenko | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE ameaça rever relações com Ucrânia após condenação de Timoshenko

Segundo Comissão Europeia, a condenação de Julia Timoshenko a sete anos de prisão poderá trazer sérias implicações para as relações entre a Ucrânia e a União Europeia. UE ameaça rever acordo de associação com a Ucrânia.

Julia Timoshenko deixa corte após receber veredicto

Julia Timoshenko deixa corte após receber veredicto

A Comissão Europeia afirmou estar extremamente desapontada com a sentença recebida pela ex-premiê da Ucrânia, Julia Timoshenko. Nesta terça-feira (11/10), ela foi condenada a sete anos de prisão por abusos cometidos quando estava à frente do poder. Para a Comissão, a decisão da Justiça ucraniana pode trazer sérias implicações para as relações do país com a União Europeia (UE).

A chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, afirmou que o veredicto da corte ucraniana confirma que a aplicação da Justiça no país é feita de maneira seletiva, em processos com motivação política contra líderes da oposição e membros do antigo governo.

"A UE vai refletir sobre suas políticas em relação à Ucrânia", afirmou Ashton em comunicado. "A maneira como as autoridades ucranianas irão respeitar, de forma geral, os valores universais e as regras da lei, e particularmente como irão lidar com esses casos, corre o risco de ter profundas implicações para as relações bilaterais entre a UE e o país, inclusive para a conclusão do acordo de associação, para o nosso diálogo político e a expansão da nossa cooperação".

A União Europeia vem observando a Ucrânia com atenção desde a chamada Revolução Laranja (entre 2004 e 2005), quando um movimento popular anulou o resultado de eleições presidenciais consideradas amplamente fraudadas. Não demorou muito, o governo que assumiu o poder graças a esses protestos populares não escapou de fortes acusações de corrupção e de contínuos problemas de fornecimento de gás vindo da Rússia. As eleições de 2010, ganhas por um partido pró-Rússia, apenas renovaram os temores de que a Ucrânia está saindo da órbita do Ocidente.

Luz negativa

Logo após a divulgação da sentença, o ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle, afirmou que a decisão coloca o sistema Judiciário ucraniano e o país sob uma "luz negativa". "Este veredicto não ajuda, mas traz consequências para as relações da Ucrânia conosco e com a União Europeia."

Westerwelle disse ainda que vai ficar de olho nas próximas ações contra Timoshenko e outros membros do antigo governo, que deixaram o poder após as eleições de 2010. Desde então, vários integrantes do regime anterior têm enfrentado processos judiciais.

Representantes da UE advertiram a Ucrânia de que os acordos bilaterais com vista a uma associação política e de livre comércio podem não vir a ser ratificados pelos Estados-membros europeus, caso Timoshenko seja presa ou seja impedida de concorrer às eleições parlamentares de 2012. Para Ashton, o direito da ex-premiê em apelar da sentença não deve estar ligado ao pleito do próximo ano.

Segundo Ashton, diplomatas da UE que se reuniram nesta segunda-feira em Luxemburgo teriam mostrado grande preocupação sobre o então iminente veredicto e sobre os possíveis reflexos da decisão da corte ucraniana sobre as relações do bloco europeu com o país. Os diplomatas haviam proposto descriminalizar Timoshenko, alegando que seus atos deveriam ser classificados de ilicitudes "administrativas" e não "criminais".

Protestos nas ruas

Polícia ucraniana prendeu dezenas de manifestantes

Polícia ucraniana prendeu dezenas de manifestantes

Cerca de mil apoiadores de Julia Timoshenko reuniram-se no centro de Kiev nesta terça-feira e entraram em conflito com forças de segurança, logo após o anúncio da sentença. Os manifestantes tentaram bloquear ruas e dezenas de pessoas foram detidas pela polícia. "Liberdade para Julia e abaixo os bandidos!", gritavam.

Por conta do julgamento, as autoridades já haviam se preparado para aumentar o contingente policial antiprotestos nas ruas, especialmente na principal avenida da capital ucraniana, onde logo cedo dezenas de apoiadores da ex-premiê haviam montado barracas.

Prisão e multa

Para o ex-presidente da Ucrânia Viktor Yushchenko, a sentença dada a Timoshenko não teve motivações políticas. "Ela traiu os interesses nacionais", afirmou. Os dois chegaram ao poder juntos após a Revolução Laranja em 2004, mas acabaram rompendo mais tarde.

Além de sete anos de prisão, Julia Timoshenko terá que pagar 137 milhões de euros à empresa estatal ucraniana Naftogas. Ela foi condenada por abuso de poder ao fechar um contrato de fornecimento de gás com a Rússia, considerado prejudicial para a Ucrânia. Agora, a ex-premiê tentará recurso junto à Justiça da UE.

A Rússia tentou fazer pressão sobre a Ucrânia com interrupções no fornecimento de gás para o país e para o Oeste da Europa, através de um gasoduto que passa por território ucraniano, a fim de forçar um aumento nos preços do combustível.

Vladimir Putin, primeiro-ministro russo que supervisionara o acordo com a Ucrânia, declarou a agências russas de notícias, durante viagem a Pequim, que não "compreende por que Timoshenko foi condenada a sete anos de prisão". O Ministério russo do Exterior declarou, por sua vez, que atrás do veredicto estaria um "claro subtexto antirusso".

MS/rts/afp/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais