1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE ainda não tem patentes válidas nos 15 países

Um encontro em Bruxelas não conseguiu criar uma patente única para a UE. Mas fez-se progressos, segundo o representante de Berlim. Os alemães registram o maior número de patentes na Europa.

A iniciativa privada terá que continuar à espera de uma patente única, válida para todos os países da União Européia. Vários governos elogiaram o esboço de um acordo elaborado pela presidência espanhola da UE, nesta terça-feira (21), em Bruxelas, mas detalhes importantes não foram ainda definidos. Não obstante, a discussão "possibilitou alguns progressos", avaliou o subsecretário Hansjörg Geiger, do Ministério alemão da Justiça.

Dinheiro e línguas - Entre os pontos em aberto estão a divisão dos custos e o número de idiomas da União Européia em que terão de ser traduzidos os documentos ligados ao registro de patentes. A tradução completa da documentação necessária para a obtenção de uma patente em todas as línguas da UE após sua ampliação custaria 38.000 euros a quem a solicitasse, calculou a presidência do Conselho de Ministros. Limitando-se à descrição da patente a três idiomas (inglês, francês e alemão) e traduzindo-se somente os direitos à patente em todas as línguas da UE, os custos seriam reduzidos a 5.700 euros.

Tribunais - Berlim tornou a insistir para que as disputas jurídicas de primeira instância sobre patentes sejam travadas perante tribunais experientes no assunto. Esses tribunais existem em três cidades alemãs (Düsseldorf, Mannheim e Munique), como também na França e Grã-Bretanha, expôs Geiger, à margem do encontro em Bruxelas.

Se eles passarem à jurisdição da União Européia, Berlim se prontificou a financiá-los com recursos próprios. Caberia à UE estudar um esquema para que a jurisprudência européia das patentes possa funcionar em vários lugares. Atualmente, dois terços dos casos que vão parar na Justiça são decididos por tribunais alemães. "Esse know-how não deve se perder", acrescentou Geiger.

A iniciativa privada reclama, há anos, da demora na tramitação e obtenção de uma patente na União Européia, o que é visto como desvantagem na concorrência principalmente com os EUA, onde o procedimento é bem mais simples e rápido.