1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ucrânia: será que o povo venceu mesmo com a oposição?

Jornais europeus elogiam integridade de Yushchenko, mas advertem que processo de democratização está apenas começando.

default

Manifestações de rua aceleraram fim de um regime corrupto

Leia as reações de alguns jornais europeus ao resultado das eleições de domingo (26/12) na Ucrânia:

Financial Times Deutschland: "Pela terceira vez em dois meses, os ucranianos votaram para presidente. (...) A decisão do Supremo Tribunal de que a lei eleitoral é inconstitucional, e as prováveis queixas do partido governista contra irregularidades no pleito não põem em dúvida a legitimidade de um presidente Viktor Yushchenko. Com a posse de Yushchenko deve terminar uma luta – e começar outra. Termina a batalha das ruas, do povo e da oposição por mais democracia. A nova luta é pelo futuro do país: o novo presidente e o governo têm diante de si tarefas gigantes. A Ucrânia está profundamente dividida. Yushchenko precisa superar essa divisão e tentar obter a adesão do leste do país ao seu programa de reformas. (...) Na política externa, ele tem de procurar posicionar a Ucrânia entre a Rússia e o Ocidente – ele precisa estender a mão para a Europa, sem dar as costas para a Rússia."

Libération (França): "Para o vencedor das eleições, Viktor Yushchenko, começa agora talvez a parte mais difícil. Carregado para a vitória pela 'revolução laranja', o novo presidente precisa corresponder a enormes expectativas em termos de democracia e reformas. A legitimidade conquistada no duro combate a um regime de corrupção e falsificação bem como sua indiscutível coragem e integridade pessoal lhe dão credibilidade. Ele terá de usá-la, para realmente poder exercer o poder sem ter nas mãos todas as decisões."

Corriere della Sera (Itália): "A revolução laranja triunfou na Ucrânia. A tarefa do novo presidente agora é unificar o país: conduzir à unidade esta nação dividida pela língua, história e religião. Viktor Yushchenko, que obteve a maioria dos votos no oeste da Ucrânia, precisa sobretudo acalmar as regiões do leste, pró-russas, que votaram no candidato derrotado Viktor Yanukovich. Este, por sua vez, já anunciou uma oposição ferrenha. Por isso, o novo presidente não pode poupar esforços para impedir uma autonomia do leste do país."

La Stampa (Itália): As declarações de Viktor Yanukovich já são vistas por alguns observadores como a ameaça de uma invasão dos pró-russos à capital Kiev, como foi a invasão dos mineiros, há alguns anos, em Bucareste. Mas este alarme parece ser exagerado, pelos menos no momento. As forças policiais ucranianas ainda têm todo o controle em suas mãos, apesar da multiplicação de grupos paramilitares, que agora precisam de uma ordem para manterem o juízo.

Tages-Anzeiger (Suíça): "Mesmo que Viktor Yushchenko seja o vencedor incontestável, ainda não é certo que, com a oposição, o povo ucraniano tenha sido vitorioso. No terceiro turno, os eleitores elegeram um presidente enfraquecido, que não pode simplesmente varrer do mapa político o antigo regime. E esta era exatamente a meta da revolução laranja: ela quis dar um basta a um governo que engana o povo e se enriquece inescrupulosamente às suas custas. (...) Só o tempo dirá se Yushchenko realmente será o presidente do povo que o levou ao poder. No final, pode ser que ele se desmascare, ocupando o papel cobiçado por seu adversário Viktor Yanukovich: o de herdeiro e procurador de Leonid Kutchma [atual presidente da Ucrânia]."

Russki Kurier (Rússia): "Os assessores do Kremlim tentaram com todos os meios, através de Yanukovich, manter o regime de Kutchma, mas ignoraram a questão mais importante da política ucraniana: Como deverá ser o futuro poder do Estado na Ucrânia? Fechado e corrompido como sob Kutchma? Ou aberto e democrático, como talvez será sob a oposição? Essas pergutas só não foram ouvidas por quem não quis ouvi-las."

Leia mais