1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ucrânia quer eleições em áreas controladas por separatistas

Parlamentares ucranianos aprovam lei que dá autonomia a regiões do leste desde que sejam realizadas eleições de acordo com a legislação do país. Líderes rebeldes acusam Kiev de violar acordo de paz assinado em Minsk.

O Parlamento da Ucrânia aprovou nesta terça-feira (17/03) uma lei que estipula autonomia em territórios controlados por rebeldes pró-Rússia, no leste do país, somente após a realização de eleições locais de acordo com a legislação ucraniana e sob monitoramento internacional.

"A posição da Ucrânia é a de que vamos negociar com representantes de Donetsk e de Lugansk legitimamente eleitos e de acordo com a legislação ucraniana, em eleições reconhecidas por todo o mundo civilizado", afirmou o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, nesta terça-feira. "Não haverá outras eleições na Ucrânia."

Líderes separatistas criticaram a proposta, aprovada por 265 dos 347 parlamentares, e afirmaram que ela inviabiliza o acordo de paz acertado no mês passado após longas negociações. Apesar de violado diversas vezes desde que foi estabelecido, considera-se que o cessar-fogo de 12 de fevereiro ainda vem sendo, de maneira geral, respeitado.

Alexei Karyakin, líder da autointitulada República Popular de Lugansk, acusou Kiev de violar o acordo acertado com os separatistas ao não consultá-los sobre a realização de eleições. "A legislação eleitoral deveria ter sido trabalhada com os representantes dos territórios", afirmou Karyakin, segundo o Centro de Informações de Lugansk.

Para Denis Pushilin, da "República Popular de Donetsk", a proposta aprovada representa "um ponto sem volta ao acordo de Minsk".

Segundo o acordo acertado na capital de Belarus, representantes de Kiev e dos separatistas deveriam começar a discutir um modelo para a realização de eleições regionais no primeiro dia após a retirada de armas pesadas das áreas de confronto. O ministro ucraniano do Exterior, Pavlo Klimkin, afirmou em uma entrevista na segunda-feira que o recuo das armas já foi feito.

A aprovação da lei ocorreu em meio a novos relatos de vítimas no leste da Ucrânia. Três soldados ucranianos morreram e cinco ficaram feridos nas últimas 24 horas, segundo um porta-voz das Forças Armadas. Parte das vítimas foi alvo de ataques rebeldes, e outras acabaram sendo atingidas quando um veículo militar passou por uma mina, afirmou.

MSB/ap/afp/rtr


Leia mais