1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ucrânia diz ter evitado "estratagema" russo para invadir país

Kiev acusa Moscou de tentar enviar pela fronteira comboio disfarçado de ajuda humanitária. Washington condena suposta manobra. Kremlin nega acusações e tensão aumenta entre os dois países.

A Ucrânia e os Estados Unidos acusaram, neste sábado (09/08), a Rússia de tentar atravessar a fronteira com tropas, aproveitando-se de um "corredor humanitário". Através desse estratagema, Moscou pretenderia intervir no leste ucraniano, onde rebeldes pró-Rússia e forças de Kiev continuam se combatendo. O Kremlin nega as acusações e tensões russo-ucranianas se agravam.

Segundo Valeriy Chaliy, vice-chefe de gabinete do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, a ação foi evitada através de vias diplomáticas. "Supostamente em consulta com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha na Ucrânia, o comboio humanitário com 'forças de paz' deveria entrar [no país], aparentemente para provocar um conflito em escala total", disse.

Segundo Chaliy, o ministro ucraniano do Exterior, Pavlo Klimkin, conversou com seu homólogo russo, Serguei Lavrov. Este teria assegurado que as tentativas da Rússia na fronteira "serão interrompidas".

A porta-voz da Cruz Vermelha Sitara Jabee negou qualquer tipo de envolvimento com o comboio russo. De acordo com ela, se doações fossem recebidas da Rússia, elas seriam distribuídas segundo "as modalidades e metodologia" próprias da entidade.

A embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas, Samantha Power, confirmou que uma intervenção russa "disfarçada de ajuda humanitária" seria considerada "uma invasão da Ucrânia", além de "totalmente inaceitável e profundamente alarmante".

O Ocidente vem alertando a Rússia sobre o acúmulo de tropas perto da fronteira com o leste da Ucrânia e acusa Moscou de armar os separatistas na região.

Konvoi russischer Militärfahrzeuge

Caminhões russos sem identificação entram na Crimeia em março de 2014

Kremlin nega

O Kremlin negou as acusações ucranianas de provocações nas fronteiras comuns. "Tropas russas não tentaram cruzar a fronteira", assegurou Dimitri Peskov, porta-voz do presidente Vladimir Putin. "Estamos com dificuldades em entender de que os ucranianos estão falando."

A Rússia teria proposto à ONU enviar ajuda humanitária para o leste ucraniano. A oferta foi interpretada por Kiev como um pretexto para uma intervenção militar. Peskov ressalvou, no entanto, que a região precisa de toda a ajuda possível para tentar solucionar uma "catástrofe humanitária". "Essa catástrofe é agora o tema número um em discussão."

O vice-chanceler russo, Serguei Ryabkov, criticou os comentários feitos pela embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power, afirmando que eles demonstravam a "histeria contra a Rússia" em Washington.

"Nossa proposta tem objetivos claramente humanitários, mas a iniciativa é posta de lado, e eles só falam sobre como a Rússia supostamente tentaria entrar na Ucrânia sob o pretexto de ajuda humanitária – coisa que não agrada aos EUA", reclamou Ryabkov.

RM/ap/afp/dpa/rtr

Leia mais