1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

TV analisa os ídolos úteis de Hitler

Uma série da televisão alemã trata de três personalidades ligadas ao regime nazista: o ator Heinz Rühmann, o boxeador Max Schmeling e a cineasta Leni Riefenstahl.

default

Leni Riefenstahl no set de filmagem

A televisão alemã estréia nesta terça-feira (06/03) uma série intitulada Os ídolos úteis de Hitler (Hitlers nützliche Idole). Ela enfoca alguns dos protagonistas do culto à personalidade do regime nazista, tanto na área da cultura como do esporte.

Os três capítulos da série exibida pela cadeia de direito público ZDF enfocam, sucessivamente, o ator Heinz Rühmann, o campeão mundial de boxe Max Schmeling e a diretora de cinema Leni Riefenstahl.

Moral versus poder

Assim a ZDF descreve a nova série: "Eles eram amados por milhões de alemães, a propaganda precisava deles: os ídolos da era nazista, as estrelas de Hitler. Para preservar a bela fachada das aparências, manter o moral do povo, mostrar a tirania de seu melhor ângulo. O Terceiro Reich ofereceu a chance para carreiras meteóricas. Quem se recusasse, arriscava cair em desgraça. Muitos escaparam através da emigração. Quem ficou, teve que ceder à força de atração da ditadura."

Ingenuidade ou oportunismo? Por um lado, o regime de Adolf Hitler se aproveitou da popularidade destas e outras figuras para fins propagandísticos. Por outro, os ídolos não só se prestaram ao culto – pelo menos até certo ponto, voluntariamente – como souberam se beneficiar dele.

Uma das questões centrais que os autores de Os ídolos úteis tentam responder é: que chances tem a moral, na confrontação com o poder?

O ator mais querido

Leni Riefenstahl 100 Jahre alt

Leni Riefenstahl, ao completar 100 anos

As conexões entre Heinz Rühmann (1902-1994) e o nazismo não o impediram de ser escolhido, numa pesquisa de opinião recente, como "o ator mais querido dos alemães".

Já gozando de certa reputação como ator de teatro e de cinema, após a ascensão do partido nazista ao poder, em 1933, Rühmann não fez qualquer tentativa de se distanciar do regime.

Pelo contrário: as comédias inconseqüentes que estrelou, em tempos de terror e genocídio, serviram perfeitamente à causa nazista. Entre 1938 e 1943, integrou o elenco do Teatro Nacional Prussiano de Berlim, sob a direção de Gustaf Gründgens. Em 1940, foi nomeado "ator nacional" ( Staatsschauspieler). Apesar de tudo, Rühmann se autodefinia como "apolítico".

Sob pressão do regime, separou-se de sua esposa judia, Maria Bernheim. Seus defensores alegam que desta forma quis proteger a mulher, de quem já vivia separado há muito. Porém outros atores, como Hans Albers e Heinz Moser, permaneceram fiéis a suas parceiras judias, desprezando os nazistas até o fim.

O atleta-modelo

Quax der Bruchpilot wird 80

Heinz Rühmann aos 80 anos

O segundo filme é dedicado ao boxeador Max Schmeling (1905-2005), o "atleta-modelo" de Hitler. Sua vitória contra o "Bombardeiro Marrom", o norte-americano Joe Louis, em 1936, conta entre as maiores lutas do século 20.

A propaganda nazista capitalizou o evento esportivo para seus fins, apresentando-o como uma "batalha de raças, branco contra negro". Contudo, apenas dois anos mais tarde, Schmeling pôde constatar quão efêmera é a glória esportiva. Na revanche, Louis o pôs em nocaute logo no primeiro round.

Em conseqüência, o regime o repudiou, mobilizando-o para a guerra em 1940, como pára-quedista, apesar de toda a fama. Só por um triz o ex-campeão escapou à morte em 1941, numa operação de ataque a Creta, então sob ocupação inglesa.

A feiticeira das imagens

Max Schmeling gestorben

Max Schmeling em 1996

Com a estética de seus documentários, Leni Riefenstahl (1902-2003) determinou como nenhum outro cineasta a imagem do Terceiro Reich. Entre as suas obras mais citadas estão as filmagens da convenção partidária nacional-socialista de 1934 e das Olimpíadas de 1936.

O poder das imagens de Riefenstahl auxiliou os nazistas a seduzir toda uma geração. Apesar de extremamente próxima do Führer, após a guerra ela declarou jamais haver se interessado por política. Até o fim da vida, aos 101 anos, a cineasta não demonstrou qualquer sinal de arrependimento pela colaboração com Hitler.

Os ídolos úteis compara a opção da diretora com a de outros artistas. O austríaco Billy Wilder preferiu emigrar para os Estados Unidos. Por sua vez, a opção de Veit Harlan– autor de Jüd Süss, possivelmente o pior exemplo de propaganda anti-semita do regime nazista – foi semelhante à de Leni Riefenstahl: contra a moral e a favor da carreira.

Heinz Rühmann

Leia mais

Leni Riefenstahl

Max Schmeling