Turquia vai se arrepender, afirma Putin | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia vai se arrepender, afirma Putin

Presidente russo diz que não vai esquecer ataque a avião, mas descarta reação "nervosa e histérica". Erdogan afirma que é a Rússia, e não a Turquia, que compra petróleo do grupo extremista "Estado Islâmico".

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta quinta-feira (03/12) em Moscou que as lideranças da Turquia vão se arrepender de terem abatido um avião de guerra russo. Ele disse que não esquecerá o ataque da Turquia ao bombardeiro SU-24, que chamou de "crime de guerra", mas ressalvou que a Rússia não recorrerá às armas em resposta.

"Não esperem uma reação nervosa e histérica, perigosa para nós mesmos e para o resto do mundo", afirmou Putin, indicando que a resposta russa ao incidente não se limitará às sanções econômicas anunciadas esta semana contra a Turquia, que incluem o fechamento do mercado russo para produtos alimentares turcos.

"Se alguém pensa que, depois de cometer crimes de guerra hediondos, o assassinato da nossa gente, isso lhe custará apenas uns tomates e limitações na construção e em outros setores, está profundamente enganado", afirmou Putin.

Em discurso sobre o estado da nação, diante do Parlamento em Moscou, Putin insistiu nesta quinta-feira na acusação de que a Turquia "está enchendo os bolsos com petróleo roubado" na Síria e no Iraque, numa alusão a Erdogan e sua família. As autoridades turcas chamam a acusação de "propaganda soviética".

O presidente russo disse não compreender as razões que levaram as autoridades turcas a ordenar a derrubada do avião russo. Segundo o governo em Ancara, a aeronave violou o espaço aéreo turco ao sobrevoar a fronteira turco-síria. "Só Alá saberá por que o fizeram. Parece que Alá decidiu castigar o bando de governantes da Turquia, acabando com a sensatez deles", declarou Putin, num discurso acompanhado também pelas viúvas do piloto russo abatido e de um soldado que morreu nas operações de resgate.

Em Ancara, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que ele tem provas do envolvimento da Rússia no comércio ilegal de petróleo, rebatendo as acusações russas de que a sua família estaria comprando o produto do grupo terrorista "Estado Islâmico". "Temos a prova nas mãos. Vamos revelá-la para o mundo", declarou em discurso transmitido pela televisão.

Gasoduto é suspenso

Em meio ao confronto verbal, Rússia e Turquia suspenderam as negociações para a construção conjunta de um gasoduto que ligará a Rússia à Turquia e ao sul da Europa, conhecido como TurkStream. O anúncio foi feito em Moscou pelo ministro russo da Energia, Alexander Novak.

O projeto TurkStream prevê a construção de quatro gasodutos para transportar o gás natural russo através do Mar Morto, ligando o sul da Rússia ao oeste da Turquia e permitindo a Moscou contornar a Ucrânia, país com quem os russos também estão em conflito, para abastecer a Europa. Putin anunciara a construção do gasoduto em dezembro de 2014.

AS/lusa/afp

Leia mais