1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia intercepta jato russo que violou seu espaço aéreo

Avião teria sido escoltado após cruzar fronteira com a Síria. Ancara convoca embaixador russo para explicar invasão aérea e afirma que país está pronto para reagir em caso de novas violações.

O governo da Turquia afirmou nesta segunda-feira (05/10) que uma aeronave militar russa, que violou seu espaço aéreo no fim de semana, foi interceptada próxima à fronteira com a Síria, sendo escoltada por jatos turcos.

O Exército turco relatou que dois de seus caças também foram perseguidos por uma aeronave identificada como sendo um MIG-29, de fabricação russa.

A Turquia, que é membro da Otan, afirmou estar pronta para ativar as regras de empenhamento – que põem as Forças Armadas em prontidão para possíveis combates –, caso aeronaves russas voltem a invadir seu território.

"Nossas regras de empenhamento são claras, não importa quem viole nosso espaço aéreo", afirmou o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu. Ele, porém, minimizou uma possível crise entre os dois países, ao dizer que os canais com a Rússia "continuam abertos".

Davutoglu disse que Moscou reconheceu que teria violado "por engano" o espaço aéreo turco. O ministro do Exterior, Feridun Sinirlioglu, entrou em contato com seu homólogo russo, Sergei Lavrov, pedindo que tais incidentes não se repitam.

Há suspeitas de que a aeronave russa estaria sendo utilizada nos

ataques aéreos promovidos pela Rússia na Síria

, que, segundo Moscou, visam combater forças do "Estado Islâmico" (EI) e outros grupos islamistas de oposição ao regime do presidente Bashar al-Assad.

Entretanto, o Ministério da Defesa russo diz que utiliza aeronaves Sukhoi nas missões de bombardeio. Os MIG-29 também são utilizados pela Força Aérea da Síria.

O Ministério turco do Exterior afirmou em comunicado que Ancara convocou o embaixador russo para explicar invasão aérea e alertou que, em caso de futuras violações, Moscou será responsabilizada por "incidentes indesejáveis que venham a ocorrer".

RC/afp/dpa/rtr

Leia mais