1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia deve resolver logo a crise com a Rússia, dizem especialistas

Crise criada pelo abate de um avião russo é de proporções históricas e deve ser resolvida a todo custo pela Turquia, avaliam analistas, que destacam a dependência que o país tem da energia oriunda da Rússia.

default

Queda do caça russo abatido pela Turquia, perto da fronteira com a Síria

A tensão entre Ancara e Moscou se transformou numa verdadeira crise depois do abate de um avião militar russo pela Turquia, perto da fronteira com a Síria. O presidente Vladimir Putin afirmou que o incidente vai ter "consequências sérias" para a Turquia. Já o ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, cancelou sua visita ao país, programada para esta quarta-feira (25/11).

Especialistas consultados pela DW concordaram que uma crise histórica está se desenrolando nas relações entre os dois países, e Ancara não pode deixar de adotar um comportamento diplomático para tentar resolver essa crise.

Durante a última reunião de cúpula do G20 em Antália, ficou acertado o encontro, em Istambul, de um subgrupo do Conselho Rússia-Turquia de Cooperação de Alto Nível. Lavrov fora escalado para participar dessa reunião.

No entanto, depois de as Forças Armadas da Turquia declararem que seu espaço aéreo fora violado, e ao ficar claro que o caça abatido era russo, o cancelamento da viagem de Lavrov suscitou temores de que uma séria crise esteja se formando entre os dois países.

Já Lavrov afirmou que a ameaça de terrorismo na Turquia é tão elevada quanto no Egito, onde uma aeronave com cidadãos da Rússia foi bombardeada, em outubro.

Crise de longo ou curto prazo?

O argumento da Turquia de que avisou o caça russo pelo menos dez vezes, antes de derrubá-lo, não tem ajudado a abrandar a severa reação da Rússia. Ancara alega que estava apenas protegendo suas fronteiras e que não faz concessões quando o assunto é a violação de seu espaço aéreo.

Russland, Wladimir Putin

Putin reagiu com ameaças à derrubada do avião

Em meio à crise na Síria, o que significa o surgimento de uma outra crise, desta vez entre Rússia e Turquia? Será uma crise de longo ou curto prazo? Que mudanças se pode esperar no relacionamento entre os dois países?

"Ocorre uma crise histórica nessa relação. A Turquia precisa pensar em resolver essa crise imediatamente, do contrário não haverá volta", diz Hasan Ali Karasar, especialista em Rússia e professor de relações internacionais da Universidade Atilim, em Ancara.

Ao mesmo tempo, a Turquia precisa investigar o que aconteceu com os dois pilotos da aeronave abatida. Um deles salvou-se, segundo a Rússia, e o outro foi morto a tiros por rebeldes. "Se a Turquia não for sincera a esse respeito, os russos vão agir ainda mais severamente", opina Karasar.

Necessidade de uma solução

O pedido de Ancara de uma reunião com a Otan não deve ser interpretado como a preparação de uma guerra, diz Karasar. No entanto, além do abate do avião, também é preciso levar em consideração os ataques da Rússia à região turcomana da Síria.

"Neste ponto, uma tarefa de porte caiu nas mãos da diplomacia. Diplomatas de ambos os países precisam encontrar uma solução para acabar com essa crise. As próximas horas serão críticas", prevê o especialista.

De acordo com Serhat Erkmen, do Instituto Turquia Século 21, seu país deu um passo violento ao derrubar o avião russo. Ele antecipa que os próximos dias estarão "sob o signo da crise" na relação entre a Turquia e a Rússia.

"Sabemos que a Turquia é sensível na questão dos turcomanos. A Rússia estava ciente disso. A constante violação do espaço aéreo turco pela Rússia foi entendida como se a Turquia estivesse perdendo seu poder de dissuasão. Ela queria combater essa impressão, mas a reação foi excessiva. Num momento em que a sensibilidade a respeito dos turcomanos está aguçada, um avião russo foi abatido na primeira violação."

Nova frente na crise síria

O incidente não vai levar a Rússia a desistir de suas operações na Síria, acredita o especialista. "Os países aliados do Ocidente estão dizendo para a Turquia: 'Sim, você tem o direito de proteger suas fronteiras, mas não exagere'. É isso: uma nova frente se abre na crise síria, e Rússia e Turquia são forçadas a encará-la. Isso significa que um período tenso está a caminho."

Segundo Erkmen, o abate do avião russo representa uma "vitória moral" para a oposição síria. No entanto, ele afirma que a Rússia continuará com suas operações na região turcomana e tirará Aleppo das mãos dos rebeldes.

"Vai ser difícil parar a Rússia a esta altura. As relações entre o país e a Turquia estão sujeitas a uma crise, cujo desdobramento será determinado pelos anúncios procedentes do Ocidente."

Turquia depende da Rússia

Os especialistas também lembram que a Turquia é dependente da energia vinda da Rússia. "Metade do carvão consumido pelos turcos é importado, e 31% vem da Rússia", diz o especialista em energia Necdet Pamir. Ele acrescenta que a Turquia depende dos russos para 55% de seu gás natural e 16% de seu petróleo.

"A Turquia está construindo uma usina nuclear com a Rússia. Ela depende dos russos em termos de energia. Devido a uma política ruim na Síria, ela está se perguntando o que aconteceu e se vendo incapaz de sair da crise. Se a Rússia diz que consequências sérias virão após o abate do avião, então tais consequências são possíveis. O país pode cortar o fornecimento de gás natural quando quiser", afirma.

Para Osman Faruk Loğoğlu, ex-embaixador turco nos Estados Unidos, seu país "tomou uma postura desnecessária frente à crise na Síria". "A Turquia tentou derrubar o regime e agravou a crise. Todo mundo sabe que a Rússia jamais admitiria perder sua posição na Síria e no Mediterrâneo Oriental. A Turquia se lançou numa crise e, na verdade, continua sozinha com a ameaça de guerra."

O diplomata aconselha a Turquia a atender aos pedidos de bom senso vindos do Ocidente, a fim de impedir que a crise com a Rússia se acirre ainda mais.

Leia mais