1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia decreta luto nacional após ataque

Líderes internacionais condenam atentado que matou 95 pessoas em manifestação pacífica em Ancara. Oposição pró-curda acusa o governo de se omitir ao não evitar a tragédia.

A Turquia iniciou neste domingo (11/10) um período de três dias de luto nacional, após o

atentado ocorrido em uma manifestação pacífica em Ancara

, que matou ao menos 95 pessoas e deixou centenas de feridos.

O ataque deste sábado, o maior ocorrido no país em muitos anos, tinha com alvo manifestantes pró-curdos que se reuniam para um protesto em frente à estação central da capital turca.

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu sugeriu que rebeldes curdos ou os extremistas do "Estado Islâmico" (EI) estariam por trás do atentado e afirmou que existem "fortes indícios" de que tenha sido realizado por um ou mais terroristas suicidas.

Até o momento, nenhuma organização assumiu a autoria do ataque à manifestação, que pedia o fim da violência e mais democracia na Turquia.

Líderes de diversas nações em todo o mundo condenaram o atentado. A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, expressou "tristeza e consternação" em relação ao que chamou de "atos de covardia diretamente voltados aos direitos civis, à democracia e à paz".

"Estou convencida de que o governo e a sociedade turca permanecerão unidos nessa hora, reagindo com unidade e democracia", acrescentou a chanceler.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em telefonema a seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que seu país continuará comprometido com o apoio à Turquia no combate ao terrorismo.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, declarou que não existem justificativas para o que chamou de "ataque horrendo à pessoas que se manifestavam pacificamente". "Todos os aliados da Otan permanecem unidos na luta contra o flagelo do terror", ressaltou.

Milhares de pessoas em Ancara, Istambul e outras cidades turcas participaram de protestos condenando o atentado.

Oposição denuncia omissão do governo

O ataque ocorreu num período bastante conturbado na Turquia. O país realiza

ofensivas contra rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK)

, que resultaram em centenas de mortes.

Türkei Ankara Proteste Selbstmordanschlag

Multidão em Ancara protesta contra o ataque deste sábado na capital do país, que matou 95 pessoas

O PKK divulgou uma declaração após o atentado, pedindo o fim das hostilidades, para que as eleições ocorram pacificamente no dia 1º de novembro.

O líder do partido pró-curdo HDP, Selahattin Demirtas, culpou o governo turco, que chamou de "Estado assassino", por envolvimento no atentado deste sábado, levantando suspeitas sobre a omissão das autoridades que não agiram para prevenir o ataque.

Neste domingo, milhares de pessoas que compareceram ao funeral de uma das vítimas do atentado gritavam slogans acusando Erdogan e o governo de não tomar as precauções necessárias para evitar o atentado.

Erdogan é acusado por muitos de agravar as tensões com os curdos, com o intuito de angariar apoio à sua legenda, o Partido pela Justiça e Desenvolvimento (AKP), que perdeu a maioria parlamentar nas eleições de junho, em parte, pelo êxito eleitoral do HDP.

RC/afp/ap

Leia mais