1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Turismo espera sair da crise em 2002

Os 9900 expositores na Feira Internacional do Turismo (ITB), em Berlim, têm uma única esperança: recuperar as perdas desde os atentados terroristas de 11 de setembro, que precipitaram o setor em sua pior crise.

default

Pisa, um dos destinos preferidos dos turistas na Europa

A vontade de viajar levou muitas pessoas à Feira Internacional do Turismo (ITB), em Berlim, no fim de semana. O número de visitantes só será divulgado após seu encerramento, na quarta-feira (20). No ano passado, ela atraiu 120 mil pessoas. Nesta segunda-feira, porém, só abre ao público especializado.

O setor espera que a maior feira de turismo do mundo consiga reverter a tendência de queda nos meses após os atentados terroristas nos EUA e leve a um maior número de reservas. A Organização Mundial do Turismo (OMT) aguarda uma recuperação o mais tardar a partir do terceiro trimestre, contando, no final do ano, com um aumento de 3% no número mundial de turistas, indicou o presidente da OMT, Francesco Frangialli, sábado (16), na capital alemã. No ano passado, houve uma queda de 1,3% para 688 milhões de pessoas.

Luz no fim do túnel - "Nossa indústria atravessou a pior crise de sua história, mas agora já vemos a luz no fim do túnel", disse Frangialli. Em janeiro e fevereiro aumentou a demanda. Entre julho e setembro o turismo deve voltar à normalidade, no que diz respeito à Europa, África, à região ocidental do Mediterrâneo e ao Caribe. Em Israel, a espiral da violência continua afugentando os estrangeiros. O país já teve perdas de 2,2 bilhões de dólares, informou o Ministério israelense do Turismo, nesta segunda-feira, na ITB. Em 2001, o número de turistas diminuiu mais de 50% em relação ao ano anterior. Ainda assim teria sido uma surpresa que mais de 1,2 milhão de pessoas tenham visitado o país em 2001. O número de alemães diminuiu 63% para 65.440.

A avaliação dos alemães - A Lufthansa aposta numa leve recuperação do mercado de viagens. A partir de abril, a companhia aérea alemã pretende colocar em funcionamento os 43 aviões que foram desativados logo após os atentados em setembro de 2001, e mais dois novos. O número de assentos oferecidos aumentará em relação ao plano de inverno, mas continuará 10% abaixo do nível do verão do ano passado.

O grupo Preussag, líder do mercado de turismo, não quis arriscar uma previsão, mas adiantou que o faturamento no período de inverno sofreu uma diminuição em função dos atentados. Já a Thomas Cook calcula que as reservas para o verão serão de 4% a 6% inferiores às de 2001.

Leia mais