Turbulências são mais perigosas do que raios, afirma associação alemã de pilotos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turbulências são mais perigosas do que raios, afirma associação alemã de pilotos

Para porta-voz da associação Cockpit, um raio dificilmente pode representar perigo para um avião moderno. Especialista analisa hipóteses sobre desaparecimento de avião da Air France entre Rio e Paris.

default

Airbus A330-200 da Air France desapareceu no Oceano Atlântico

Um raio, na realidade, não pode fazer mal a um moderno avião de passageiros, disse nesta segunda-feira (01/06) Jörg Handwerg, porta-voz da associação alemã de pilotos Cockpit. Na busca pelas causas do desaparecimento do Airbus A330-200 que fazia o voo entre Rio de Janeiro e Paris, cogitou-se que um raio poderia ter sido o causador de uma avaria no circuito elétrico da aeronave enquanto esta passava por uma área de tempestades com fortes turbulências.

"Da mesma forma como um carro, o avião funciona como uma gaiola de Faraday", explicou Handwerg, à agência de notícias AP. "O raio procura o caminho mais curto em direção ao chão e torna a sair em algum lugar do avião".

Segundo o comandante Handwerg, a parte técnica é tão protegida que ela quase nunca é influenciada por um raio. "Em regra, não acontece nada". Dependendo do tipo, um avião pode ter até três sistemas elétricos independentes um do outro, o que torna um blecaute praticamente impossível.

Um caso nos últimos 50 anos

Além disso, ainda há os sistemas de emergência, explica. O Airbus A320, por exemplo, dispõe de uma turbina sob a asa que pode ser acionada para a produção de energia.

Numa área de mau tempo, as turbulências são um problema maior do que raios para um avião de passageiros. Por isso, o piloto tenta contornar estas áreas, conta Handwerg, que não conhece nenhum caso de avião moderno que tenha caído por causa de um raio.

Segundo a estatística, um raio atinge um avião grande de passageiros a cada três anos. Jatos menores são atingidos com maior frequência no tráfego regional – cerca de uma vez ao ano – porque voam mais baixo. Normalmente, estes incidentes não têm maiores consequências, a não ser alguns amassados na fuselagem.

Nos últimos 50 anos, houve apenas alguns casos em que a incidência de raios em aviões possa ter sido responsável por acidentes. O mais grave aconteceu em 8 de dezembro de 1963, no nordeste dos Estados Unidos, quando um raio atingiu um Boeing 707 da Pan American World Airways, incendiando os vapores do combustível. Todos os 81 passageiros a bordo morreram. Em consequência, o departamento de segurança aérea dos Estados Unidos obrigou a instalação de equipamentos de descarga elétrica em aviões civis.

Alemães a bordo do avião desaparecido

Air France Machine vermisst Brasilien Pierre Henri Gourgeon

Pierre Henri Gourgeon, diretor-geral da Air France, confirma desaparecimento do avião

A Air France divulgou que, dos 216 passageiros do avião desaparecido, os grupos mais numerosos são: 61 franceses, 58 brasileiros e 26 alemães. Os restantes pertencem a 30 outras nacionalidades. O voo tinha, ainda, 12 tripulantes a bordo.

Segundo o jornal alemão Bild, 11 dos passageiros deveriam ter seguido para Stuttgart, porém suas poltronas no voo de conexão não foram ocupadas. Tanto nessa cidade como em Berlim, Hannover e Hamburgo teriam sido criadas, segundo o jornal, equipes de emergência.

RW/ap/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais