1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tumultos abalam Beirute após funeral de chefe do serviço secreto libanês

Cresce temor de guerra civil no Líbano devido a revolta pela morte de chefe do serviço de inteligência do país. Oposição acusa Síria e aponta conivência de governo libanês.

Lebanese policemen fire tear gas during clashes with angry protesters who attempted to storm the Lebanese government offices after the funeral of slain intelligence officer Wissam al-Hassan in Beirut October 21, 2012. Angry mourners marched on Lebanese Prime Minister Najib Mikati's offices in central Beirut on Sunday, breaking through an outer security barrier and scuffling with police who fired tear gas in response. REUTERS/Mahmoud Kheir (LEBANON - Tags: POLITICS CIVIL UNREST OBITUARY)

Libanon Beirut Ausschreitungen

Cresce o temor de uma guerra civil no Líbano, após um atentado ter matado o chefe do serviço secreto da polícia do país. Milhares de pessoas protestaram neste domingo (21/10) em Beirute, provocando tumulto na capital do país. Manifestantes tentaram invadir a sede do governo e foram repelidos pela polícia com bombas de gás lacrimogêneo.

A polícia disparou para o ar e usou gás lacrimogêneo para impedir os manifestantes de invadirem a sede do governo. Muitos deles tinham acompanhado, numa mesquita próxima, o funeral do chefe de inteligência da polícia libanesa, Wissan al Hassan, morto na sexta-feira num atentado a bomba, que causou a morte de outras sete pessoas. A maioria dos manifestantes era formada de sunitas, cristãos e drusos, muitos agitavam bandeiras libanesas.

Possíveis conexões com Damasco

Os protestos foram convocados por líderes da oposição, que acusam a Síria de planejar o atentado e o governo libanês de apoiar o regime do presidente Bashar al Assad. O ministro do Exterior francês, Laurent Fabius, também vê uma conexão entre o atentado e o conflito na Síria.

O primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, e o presidente do país, Michel Suleiman, falaram explicitamente durante o funeral em uma ligação entre o ataque a Wissan al Hassan e a prisão do ex-deputado Michel Samaha. Samaha foi preso por Hassan, sob acusação de importar explosivos por encomenda do serviço secreto sírio.

Supporters of the Christian Lebanese Forces march in protest against the killing of senior intelligence official Wissam al-Hassan (poster) in downtown Beirut October 20, 2012. REUTERS/Hasan Shaaban (LEBANON - Tags: POLITICS CIVIL UNREST)

Protestos em todo o país acompanharam o luto pela morte de Wissan al Hassan

Sunitas são os mais revoltados

A oposição, crítica ao regime da Síria, tira partido do luto pelo assassinato do chefe da inteligência libanesa. Desde sexta-feira ocorreram manifestações em diversas cidades contra o governo do Líbano. Especialmente os sunitas estão revoltados.

Hassan pertencia aos muçulmanos sunitas. Ele era ligado ao movimento de oposição da maioria sunita 14 de Março, liderado por Saad Hariri, filho do primeiro-ministro Rafik Hariri, assassinado em 2005. Muitos também acusaram na época a Síria de envolvimento no atentado a Hariri.

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, expressou preocupação com o perigo de uma piora na situação da região. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, comunicou por telefone seu apoio ao presidente, Michel Suleiman, e ao primeiro-ministro Mikati.

MD/dapd/afp/dpa/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais