1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tsipras se declara otimista sobre permanência da Grécia no euro

Segundo premiê, reunião de emergência de líderes "é um desenvolvimento positivo na estrada rumo a um acordo". Em entrevista, ele afirma que o 'grexit' seria o começo do fim da moeda comum europeia.

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, expressou nesta sexta-feira (19/06) otimismo sobre o futuro do seu país na zona do euro e sobre a possibilidade de um acordo para um novo plano de resgate.

Ele declarou que a reunião de cúpula de chefes de governo e de Estado dos 19 países da zona do euro, convocada para a próxima segunda-feira, "é um desenvolvimento positivo na estrada rumo a um acordo", acrescentando que quem aposta em "cenários de crise e terror" está errado.

"Haverá uma solução baseada no respeito às regras e à democracia da União Europeia, a qual permitirá que Grécia retome o crescimento dentro da área do euro", disse Tsipras.

Nesta quinta-feira, os ministros das Finanças da zona do euro não conseguiram chegar a um acordo sobre um novo plano de resgate para a Grécia. Diante do impasse, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, convocou uma reunião de emergência dos chefes de governo e Estado para a próxima segunda-feira.

Em entrevista ao diário austríaco Kurier, Tsipras afirmou que a saída da Grécia da zona do euro seria o começo do fim da moeda única. "O famoso 'grexit' não pode ser uma opção nem para os gregos nem para a União Europeia. Isso seria um passo irreversível, seria o começo do fim da zona do euro", declarou.

"Isso seria muito negativo para os cidadãos da Europa. Mas devo lembrá-lo que o debate sobre um grexit começou quando se iniciou a implementação dos rígidos programas de poupança", disse.

"O governo grego não consegue absorver os programas de poupança exigidos pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional. Os cortes também não seriam positivos para a economia grega. A Grécia não vai se tornar mais competitiva, e as dívidas também não serão reduzidas. O conceito inteiro precisa ser mudado", disse ele.

A Grécia necessita desesperadamente de dinheiro até o final deste mês. No dia 30 expira o atual programa de resgate, e o país necessita devolver uma parcela de 1,6 bilhão de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Outros 6,7 bilhões devem ser pagos ao Banco Central Europeu (BCE) em julho e agosto.

Para poder honrar esse compromisso, o governo grego espera que seus credores internacionais – a Comissão Europeia, o BCE e o próprio FMI – paguem a última parcela do atual programa de resgate, de 7,2 bilhões de euros. Mas eles condicionam o pagamento à apresentação de um plano para resolver o problema do endividamento. Até agora, todas as propostas da Grécia foram recusadas, e as apresentadas pelos credores foram descartadas por Atenas. As diferenças levaram à suspensão das negociações no nível técnico.

AS/lusa/afp/dpa

Leia mais