Trump tira estrategista radical da cúpula de segurança | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump tira estrategista radical da cúpula de segurança

Presidente reestrutura gabinete responsável por crises no exterior e deixa de fora Steve Bannon, ex-diretor de portal de extrema direita conhecido por discurso xenófobo.

Steve Bannon: estrategista de Trump trabalhou na campanha presidencial

Steve Bannon: estrategista de Trump trabalhou na campanha presidencial

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou nesta quarta-feira (05/04) Steve Bannon, seu chefe de estratégia política, do Conselho de Segurança da Casa Branca. Com isso, ele volta atrás da decisão de dar acesso ao ex-diretor do portal de extrema direita "Breitbart News", conhecido pelo discurso racista e xenófobo, a reuniões-chave sobre crises no exterior.

A decisão inicial de Trump de incluir Bannon nesse órgão gerou controvérsia. Era a primeira vez que um assessor político como ele, que carece de experiência na área, era incluído como convidado permanente das reuniões  do conselho. O grupo inclui membros de alto escalão da equipe de política externa, delineia grandes estratégias de defesa e discute segredos de Estado.

Na reestruturação do órgão, Trump determinou que o diretor de Inteligência Nacional, Dan Coats, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, o general Joseph Dunford, voltassem a ser "participantes regulares". Num primeiro momento, falava-se que eles participariam somente "quando fossem debatidos temas relacionados com suas responsabilidades e experiências".

Um alto funcionário da Casa Branca afirmou que a indicação de Bannon visava garantir que a visão de Trump fosse implementada junto ao órgão, incluindo os esforços para reduzir e agilizar as operações. A presença do chefe de estratégia política no conselho não seria mais necessária depois da renúncia de Michael Flynn, envolvido no escândalo sobre contato com autoridades russas.

A destituição de Bannon seria uma concessão para o assessor de Segurança Nacional, o tenente-general do Exército Herbert Raymond McMaster. Segundo uma fonte na Casa Branca, McMaster resistia ao trabalho conjunto com Bannon.

O estrategista de Trump trabalhou na campanha presidencial e é acusado de comportamento racista, antissemita e misógino. Numa entrevista, Bannon chegou a se comparar com Darth Vader.

CN/efe/rtr/ap

Leia mais