Trump sobre a ONU: ″Apenas um clube″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Trump sobre a ONU: "Apenas um clube"

Presidente eleito dos EUA critica abertamente as Nações Unidas depois de Conselho de Segurança ter aprovado resolução contra assentamentos de Israel em territórios palestinos ocupados.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou abertamente a ONU, dias depois de uma resolução contra a política de assentamento de Israel nos territórios palestinos ocupados ter sido aprovada pelo Conselho de Segurança, algo que só ocorreu devido à abstenção do governo do presidente Barack Obama.

"A ONU tem um grande potencial, mas agora é somente um clube para que pessoas se reúnam, conversem e passem um bom tempo. Que triste", escreveu o magnata em sua conta oficial no Twitter, na noite de segunda-feira (26/12).

A crítica à ONU seguiu outro tuíte publicado por Trump na sexta-feira, logo após a aprovação da resolução, quando afirmou que, "em relação à ONU, as coisas serão diferentes depois de 20 de janeiro", em alusão à data em que toma posse como presidente dos EUA.

A decisão do governo de Obama de se abster na votação sobre os assentamentos israelenses contrariou a posição de Trump, que queria que os Estados Unidos usassem o direito de veto para acalmar a tensão nas relações com a atual liderança política de Israel. A resolução, porém, foi aprovada com 14 votos a favor e a abstenção americana.

Trump classificou a decisão do Conselho de Segurança de uma "grande perda para Israel" e afirmou que a resolução tornará ainda mais difícil a negociação para a paz na região. Já o líder republicano no Congresso dos EUA ameaçou cortar o financiamento da ONU.

No ano passado, o magnata nova-iorquino tinha afirmado que pretende ser "muito neutro" nas questões que envolvem israelenses e palestinos, mas sua posição se tornou mais pró-Israel ao longo da campanha eleitoral americana. Ele chegou a criticar os palestinos, a quem chamou de complacentes com grupos armados.

PV/efe/lusa/afp/rtr/dpa/ap

Leia mais