Trump quer suspender imigração de países com histórico de terrorismo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump quer suspender imigração de países com histórico de terrorismo

Em primeiro discurso após massacre em Orlando, republicano promete proteger americanos e ataca pré-candidata democrata. Em contrapartida, Hillary Clinton defende legislação mais rígida sobre porte de armas.

Após o massacre em uma casa noturna gay em Orlando, o pré-candidato republicano Donald Trump propôs nesta segunda-feira (13/06) suspender a imigração de países com histórico de terrorismo para os Estados Unidos.

"Eu usaria esse poder para proteger o povo americano. Quando for eleito, suspenderei a imigração de regiões do mundo com histórico comprovado de terrorismo contra os Estados Unidos, Europa ou nossos aliados até sabermos exatamente como pôr fim a essas ameaças", disse o republicano em discurso em Manchester, no estado americano de New Hampshire

O magnata ressaltou que o presidente dispõe do poder para proibir a entrada em território nacional de qualquer categoria de viajantes considerada perigosa para os interesses ou a segurança do país, afirmando que o suposto atirador de Orlando, Omar Mateen, nasceu nos Estados Unidos de pais afegãos.

"A única razão pela qual esse assassino se encontrava na América é porque autorizamos a sua família a vir para cá", frisou. Mateen, de 29 anos, entrou atirando na boate Pulse por volta das 2h (hora local) de domingo e teria jurado lealdade ao grupo extremista "Estado Islâmico" (EI). O atentado deixou 50 pessoas mortas, incluindo o atirador, e outras 53 feridas.

"O islã radical é misógino, homofóbico e antiamericano. Recuso permitir que a América se torne um local onde gays, cristãos e judeus são alvos de perseguição e intimidação por pregadores islâmicos radicais de ódio e violência", declarou o republicano.

Trump aproveitou ainda o discurso para atacar a adversária democrata Hillary Clinton, desafiando-a a explicar a posição favorável ao acolhimento de refugiados sírios. "Hillary Clinton quer esvaziar os nossos cofres para deixar entrar mais pessoas no país, nomeadamente indivíduos que pregam o ódio contra os nossos cidadãos", disse.

Propostas de Hillary

Em Cleveland, a pré-candidata democrata fez um alerta contra a demonização de americanos muçulmanos. A democrata defendeu a remoção de propaganda do "Estado Islâmico" da internet, mais ataques aéreos em regiões controlados pelos jihadistas e melhor coordenação de ações com aliados nessas áreas.

"O terrorista de Orlando pode estar morto, mas o vírus que contaminou sua mente continua muito forte e precisamos atacá-lo", disse Hillary.

A pré-candidata pediu ainda uma legislação mais rígida sobre porte de armas, com a proibição de compra para suspeitos de terrorismo. Ela ressaltou que Mateen era considerado uma possível ameaça pelo FBI, mas mesmo assim pôde adquirir legalmente um fuzil AR-15.

CN/rtr/afp/lusa

Leia mais