Trump autoriza construção de polêmico oleoduto | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Trump autoriza construção de polêmico oleoduto

Relançamento do projeto Keystone XL, contestado por ambientalistas e rejeitado por Obama, foi promessa de campanha. Ecologistas alertam sobre riscos para saúde e segurança.

Estação de bombeamento da TransCanada

Estação de bombeamento da TransCanada na cidade de Steele, Nebraska, no qual o oleoduto Keystone XL deverá se conectar

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, autorizou nesta sexta-feira (24/03) a construção do polêmico oleoduto Keystone XL pela empresa canadense TransCanada. O projeto é contestado por ambientalistas e havia sido rejeitado por seu antecessor, Barack Obama.

A decisão, anunciada pelo porta-voz do Departamento de Estado, Mark Tone, autoriza a companhia canadense a "construir, operar e manter" instalações de gasodutos na fronteira entre EUA e Canadá.

O relançamento do projeto Keystone XL havia sido umas das promessas de Trump durante a campanha eleitoral americana. Com uma extensão de 1.900 quilômetros, o oleoduto deverá transportar cerca de 830 mil barris diários de petróleo sintético e de xisto diluído – da província canadense de Alberta a diferentes lugares dos EUA, inclusive refinarias do Texas no Golfo do México.

Contudo, ecologistas argumentam, que, por se tratar de um componente prejudicial e corrosivo, o betume presente nas areais onde o petróleo é produzido pode facilitar rupturas ou vazamentos e acarretar riscos para a saúde e segurança. 

Em 2015, após uma longa revisão sobre seu impacto ambiental, Obama chegou a proibir a construção do oleoduto. O relatório foi concluído com a recomendação do então secretário de Estado, John Kerry, de rejeitar o projeto, apontado como capaz de "minar" o papel dos EUA na liderança global contra ad mudanças climáticas.

Dias após chegar ao poder, no entanto, Trump assinou dois decretos para impulsionar os oleodutos Keystone XL e Dakota Access, outro polêmico projeto, cumprindo duas promessas de campanha.

A medida assinada por Trump prometia que o Departamento de Estado tomaria uma decisão sobre se recomendaria ou não o oleoduto Keystone em um prazo de 60 dias após receber o pedido da TransCanada, que o apresentou em 26 de janeiro.

Em comunicado, o presidente da TransCanada, Russ Girling, afirmou que a autorização de Trump representa "um marco importante" para a construção do oleoduto.

"Estamos muito agradecidos ao governo do presidente Trump por revisar e aprovar esta importante iniciativa. Desejamos trabalhar com ele para continuar investindo no fortalecimento da estrutura energética da América do Norte", disse Girling.

IP/efe/lusa

 

Leia mais