Trump anuncia governador de Indiana como vice | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump anuncia governador de Indiana como vice

Ao optar por Mike Pence, candidato republicano à Casa Branca acrescenta experiência política à sua chapa e confere a ela um tom definitivamente conservador. Escolhido é evangélico e contra o aborto e o casamento gay.

Mike Pence e Donald Trump durante um comício em Indiana no dia 12 de julho

Mike Pence e Donald Trump durante um comício em Indiana no dia 12 de julho

O republicano Donald Trump, candidato à presidência dos Estados Unidos, anunciou nesta sexta-feira (15/07) que o governador de Indiana, Mike Pence, será o candidato a vice na sua chapa para as eleições de novembro.

"Tenho o prazer de anunciar que escolhi o governador Mike Pence como meu candidato a vice-presidente", declarou o magnata em mensagem publicada no Twitter.

Trump também confirmou que concederá uma entrevista coletiva na manhã deste sábado para falar sobre a escolha. O pronunciamento estava marcado para esta sexta-feira, mas o empresário decidiu adiá-lo por conta do atentado em Nice, na França, que deixou dezenas de mortos nesta quinta-feira.

Também no Twitter, Pence respondeu dizendo que está "honrado em se unir a Donald Trump e trabalhar para tornar os Estados Unidos grandes de novo".

Pence, de 57 anos, esteve no Congresso por 12 anos antes de ser eleito governador de Indiana, em 2013. Ele é um político experiente, ao contrário de Trump, que nunca concorreu a um cargo eletivo. Pence descreve a si como "cristão, conservador e republicano, nessa ordem".

Evangélico, ele é declaradamente contra o aborto e o casamento homossexual. Gerou polêmica entre grande empresas, como a Apple, e grupos que lutam pelos direitos humanos quando assinou uma lei que, na prática, permitiria que empresas negassem serviços a homossexuais por razões religiosas.

Mais tarde, porém, Pence voltou atrás e sancionou uma versão revisada do texto, que proíbe a discriminação com base na orientação sexual – o que acabou desagradando os evangélicos.

O nome de Pence como vice de Trump foi confirmado uma hora antes do prazo que o governador de Indiana tinha para anunciar a intenção de concorrer à reeleição em seu estado.

Na véspera do anúncio, diversas pessoas ligadas ao Partido Republicano já haviam especulado que Trump escolheria o governador de Indiana como seu companheiro de chapa.

Segundo agências de notícias, na seleção final de Trump também estavam o governador de Nova Jersey, Chris Christie, e o ex-presidente da Câmara dos Representantes, Newt Gingrich.

"Plano perigoso"

A rival do republicano à presidência dos Estados Unidos, a democrata Hillary Clinton, criticou a escolha. "Se vocês tinham alguma dúvida de que Trump mantém um plano perigoso para os Estados Unidos, digam 'olá' a seu escolhido como vice-presidente", disse a ex-secretária de Estado.

Em comunicado, a campanha de Clinton classificou Pence como "o candidato a vice-presidente mais extremo de uma geração" e o descreveu como um político "incrivelmente divisor e impopular", com um histórico de medidas discriminatórias "falidas" que favorecem apenas os bilionários.

"A fórmula Trump-Pence contrasta totalmente com a visão de Clinton para nosso futuro, de que somos mais fortes juntos e de que a economia deve funcionar para todos, não apenas para os mais privilegiados", disse o diretor da campanha de Hillary, John Podesta.

EK/afp/ap/efe

Leia mais