Tropas sírias avançam sobre mais uma cidade no norte do país | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tropas sírias avançam sobre mais uma cidade no norte do país

Depois de ocupar Jisr al-Shughur, Exército avança sobre a cidade de Maarat al-Numan, outro reduto da oposição. ONU diz que 10 mil pessoas já fugiram do país. França pede apoio do Brasil à resolução contra o regime sírio.

default

Soldados avançam em região montanhosa, no norte do país

No norte da Síria, as Forças Armadas avançam sobre mais uma cidade que foi palco de protestos contra o governo nos últimos dias. Nesta segunda-feira (14/06), soldados chegaram ao vilarejo de Ahtam, a 14 quilômetros da cidade de Maarat al-Numan, onde manifestantes saíram às ruas contra Bashar al-Assad.

Segundo testemunhas, tropas e veículos blindados intimidaram moradores do vilarejo. As ações do Exército sírio fizeram com que milhares de residentes deixassem o país. Relatos contam que soldados teriam queimado plantações e exterminado criações de animais.

Milhares de cidadãos fugiram de Jisr al-Shughur, já ocupada pelo Exército, em direção à Turquia. Segundo a agência de notícias turca Anatolia, o número de refugiados sírios no país vizinho já ultrapasse os 7 mil. Pelos cálculos das Nações Unidas, 10 mil pessoas já fugiram dos confrontos na Síria, sendo que 5 mil foram para a Turquia e outras 5 mil para o Líbano.

Violência

O governo alega que os protestos, que começaram há três meses, fazem parte de uma conspiração apoiada por forças internacionais com o objetivo de provocar conflitos sectários. A Síria impediu o trabalho de correspondentes internacionais, o que dificulta que os fatos sejam reportados.

Segundo as autoridades, 120 seguranças teriam sido mortos nas últimas semanas por "grupos armados". No entanto, moradores e soldados que desertaram afirmam que as vítimas seriam civis e seguranças que foram assassinados por terem se recusado a atirar contra manifestantes.

Grupos de Direitos Humanos dizem que 1.300 civis já foram mortos desde o início dos confrontos. O Observatório dos Direitos Humanos afirmou ainda que 300 soldados e policiais foram mortos em protestos.

Zeltlager für Syrische Flüchtlinge in Boynuyogun Türkei

Organização turca recebe refugiados sírios, próximo à fronteira

Contra Bashar al-Assad

O atual presidente sírio está há 11 anos no poder, desde que herdou o cargo após a morte de seu pai. Em visita à Argentina, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon pediu que Assad autorizasse a entrada de ajuda humanitária na Síria, além do trabalho de avaliação de uma missão de Direitos Humanos da ONU.

Em Nova York, o embaixador francês pediu que o Brasil, membro não permanente do Conselho de Segurança, apoie a resolução do órgão, ainda em discussão, que condenaria a Síria por reagir de forma violenta contra manifestantes.

"O governo brasileiro denunciou o uso da força na Síria e exigiu que um processo político respondesse às aspirações do povo sírio", afirmou o embaixador francês Gerard Araud ao jornal O Estado de S.Paulo.

"Esperamos sinceramente que o voto do Brasil reflita esse apoio às aspirações democráticas do povo árabe", disse ele, de acordo com trechos da entrevista divulgados pela missão da França na ONU e citados pela agência de notícias Reuters.

O governo brasileiro, assim como a Índia e África do Sul, demonstrou não concordar com a resolução rascunhada por Reino Unido, França, Alemanha e Portugal. Rússia e China também deram indicação que vetariam o texto.

Diplomatas afirmam que há uma indefinição entre os 15 países que compõem o Conselho. Por isso, ainda não se sabe se os europeus colocarão o texto em votação.

NP/afp/dpa/lusa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais