Tribunal sentencia Nadja Benaissa a dois anos de liberdade condicional | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 26.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Tribunal sentencia Nadja Benaissa a dois anos de liberdade condicional

A cantora alemã tem o vírus da aids e foi julgada por ter mantido relações sexuais desprotegidas. Segundo a sentença do tribunal, Benaissa também terá que prestar serviços comunitários.

default

Nadja Benaissa ouve a sentença judicial

A Justiça alemã sentenciou a cantora Nadja Benaissa a dois anos de liberdade condicional e a 300 horas de prestação de serviço comunitário. A alemã, integrante do grupo No Angels, foi julgada pelo tribunal em Darmstadt por ter praticado relações sexuais sem preservativos, apesar de saber que era portadora do vírus da aids.

Benaissa não irá para a prisão, mas chorou ao ouvir a sentença do juiz nesta quinta-feira (26/08). A cantora, de 28 anos, foi acusada de crime de lesão corporal grave e escapou de uma pena que poderia chegar a 10 anos de prisão.

O juiz Dennis Wacker afirmou que a sentença, relativamente branda, se deve ao fato de a cantora "ter aprendido a ser responsável e a lidar com sua doença". O tribunal, no entanto, reafirmou a culpa da cantora na questão.

Benaissa confessou ter tido relações sexuais sem uso de preservativos, mas negou ter tido a intenção de infectar seus parceiros. Durante o julgamento, especialistas da área médica atribuíram à Benaissa a responsabilidade pela contaminação de pelo menos um ex-namorado da cantora.

No primeiro dia de julgamento, a ré fez um pedido de desculpas aos envolvidos. A cantora, que tem uma filha, afirmou que descobriu ser portadora do vírus em 1999, ao fazer um teste de gravidez. Ela tinha 16 anos na época.

A Deutsche Aids-Hilfe (DAH), que reúne mais de 100 associações regionais de prevenção à aids na Alemanha, lamentou o resultado do julgamento. A organização considera que "a sentença emite mensagens errôneas, que podem prejudicar a prevenção da aids e a emancipação dos doentes crônicos na Alemanha".

NP/dpa/apn
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais