Tremor no Chile provoca morte de dezenas de pessoas | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 27.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Tremor no Chile provoca morte de dezenas de pessoas

No Chile, um terremoto com magnitude de 8,8 graus na escala Richter provocou a morte de dezenas de pessoas e motivou avisos de tsunami em toda a costa do Oceano Pacífico.

default

Autoestrada desaba devido terremoto

Depois do Chile, Peru, Japão, Colômbia, Antártida, Polinésia e toda a América Central terem sido colocados em alerta ou em estado de vigilância face a um eventual tsunami, o Havaí e as autoridades australianas lançaram um aviso semelhante nos estados de New South Wales e Queensland, Lord Howe Island e Norfork Island.

O Instituto Geológico dos Estados Unidos revelou que foram registradas pelo menos 13 réplicas com 5,2 a 6,9 pontos na escala Richter, depois do abalo sísmico de magnitude 8,8, ocorrido às 3h34 da madrugada (hora local) deste sábado (27/02), a 317 quilômetros da capital do Chile, Santiago.

Segundo dados do gabinete de emergência, o epicentro do sismo, sentido em Santiago durante um minuto e meio, localizou-se a 63 quilômetros a sudoeste da cidade de Cauquenes. As agências internacionais registram o desabamento de vários prédios e o corte de serviços de telefone e eletricidade.

A presidente chilena, Michelle Bachelet, decretou o estado de calamidade e sublinhou que a Marinha chilena descarta o risco de tsunami, mas sugere à população que vá para os pontos mais elevados, devido às fortes réplicas que se têm sentido na costa.

União Europeia

Em Bruxelas, a União Europeia se dispôs a prestar ajuda imediata às vítimas do terremoto. Neste sábado, a comissária europeia para a Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e Resposta a Situações de Crise, Kristalina Georgiewa, informou em comunicado que a Comissão Europeia estaria avaliando que tipo de ajuda pode ser necessária. "A Comissão está preparada para ajuda imediata e coordenação da ajuda europeia, caso necessário", disse a política búlgara.

CA/lusa/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais