Trem que colidiu nos EUA estava em alta velocidade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Trem que colidiu nos EUA estava em alta velocidade

Investigadores afirmam que, pouco antes de colisão, trem acelerou rapidamente e velocidade atingiu dobro do limite permitido para o trecho. Uma brasileira morreu e mais de 100 pessoas ficaram feridas no acidente.

Parte do teto que cobria plataformas caiu após desastre de trem em Hoboken, Nova Jersey

Parte do teto que cobria plataformas caiu após desastre de trem em Hoboken, Nova Jersey

O trem que colidiu contra a infraestrutura de uma estação da cidade de Hoboken, no estado americano de Nova Jersey, há uma semana, trafegava no dobro do limite de velocidade permitido no local do acidente, afirmou nesta quinta-feira (07/10), o Conselho Nacional de Segurança em Transportes dos EUA, que conduz a investigação sobre o caso.

A colisão deixou mais de 100 feridos e matou uma brasileira que esperava na plataforma e foi atingida pelos destroços.

O trem trafegava a cerca de 12 km/h antes de acelerar repentinamente 38 segundos antes da colisão. "A velocidade começou a aumentar e alcançou 33 km/h", afirmaram os investigadores, em comunicado. A velocidade máxima no trecho é de 16 km/h.

O acionamento do freio de emergência ocorreu menos de um segundo antes do trem colidir contra a infraestrutura da estação. Os investigadores ainda não sabem o que levou o trem a acelerar repentinamente e continuam o inquérito sobre o acidente.

O trem da companhia New Jersey Transit viajava de Nova York para Nova Jersey e não parou em sua chegada à estação, chocando-se contra a infraestrutura. Um dos pilares que sustentavam o teto que cobria as plataformas foi derrubado, provocando o colapso parcial da cobertura.

O trem deixou a estação de Spring Valley, em Nova York, às 7h23 e colidiu contra o terminal em Hoboken às 8h45, um horário de muito movimento, em 29 de setembro.

CN/afp/ap

Leia mais