1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tratado de armas levanta dúvidas sobre implementação

Acordo histórico alcançado na Assembleia Geral da ONU é aplaudido por líderes mundiais, mas possíveis dificuldades na aplicação levam a questionamentos sobre sua real capacidade de ser eficaz.

Para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, foi "uma vitória para os povos do mundo." Para o ministro das Relações Exteriores alemão, Guido Westerwelle, um "marco de um esforço mundial". O primeiro tratado para o controle internacional do comércio de armas, aprovado na terça-feira (02/03) nas Nações Unidas, é histórico, mas levanta questionamentos – sobretudo quanto à sua implementação e aos mecanismos de controle a serem usados.

"Eu esperava mais conteúdo e mais restrições", disse à DW Rolf Mützenich, porta-voz da bancada do Partido Social Democrata (SPD) no Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão). "Especialmente em referência ao licenciamento [da exportação de armas], que continua sob controle dos governos nacionais, e à verificação. Todos esses são pontos que teriam deixado esse tipo de tratado mais forte."

O tratado assinado na terça proíbe a exportação de armas a países sob embargo ou onde elas possam ser usadas em genocídios e em crimes contra a Humanidade. Se o acordo já estivesse valendo, tanto a Rússia quanto o Irã não poderiam mais, pelo menos em teoria, fornecer armamento para o regime de Bashar al-Assad, na Síria.

Alguns países da União Europeia (UE) defendiam a ideia de afrouxar ou suspender o embargo à Síria, de modo que armas pudessem ser fornecidas aos opositores. Com o novo tratado, isso também seria proibido. Segundo o acordo, controles devem impedir que armas parem nas mãos de rebeldes, terroristas e criminosos.

O especialista em armamento Matthias John, da Anistia Internacional, vê uma necessidade de melhora nos mecanismos de controle. "Nós precisamos de melhores medidas de transparência e prestação de contas. E nós precisamos também de possibilidades de sanções, para quando o tratado for violado", afirma.

UN Vertrag Kontrolle Waffenhandel

Com a grande maioria a Assembleia da ONU aprovou o novo tratado

Mas, segundo ele, o tratado ainda é  um bom ponto de partida. Agora, afirma, chegou a hora de "os países ajustarem melhor suas próprias regras". O tratado não interfere nas leis nacionais, mas ficou  previsto que os Estados apresentem um relatório anual à ONU sobre todas as medidas tomadas para o controle do comércio de armas.

Fizcalização

O tratado prevê a formação de um sistema de controle nacional que regulará a importação e exportação de armas convencionais, munição e peças de armamentos. Comerciantes de armas também deverão ser fiscalizados.

Se essas regras já estivessem em vigor há alguns anos, como após a queda do ditador da Líbia, Muammar Kadafi, seria possível reconstruir o caminho que levou fuzis alemães às mãos de seus soldados, por exemplo. 

 "Nós vamos agora nos empenhar com intensidade para que o tratado entre em vigor o mais rápido possível", afirmou Westerwelle em Nova York. Para isso, pelo menos 50 países-membros precisam ratificar o acordo – o que pode demorar ainda dois anos, segundo especialistas.

As negociações sobre o tratado já haviam fracassado duas vezes, devido à resistência de Coreia do Norte, Síria e Irã, além de entraves impostos por Rússia, China e Estados Unidos.

O texto final só foi aprovado porque uma resolução apresentada pela Costa Rica retirou a exigência de consenso – que Irã, Coreia do Norte e Síria impediam que fosse alcançado. Assim, para ser ratificado, só precisava dos votos de uma maioria simples na Assembleia Geral na terça-feira.

As disposições não afetam, na prática, todos os países exportadores de armamentos. Por exemplo, as exportações de armas alemãs não serão limitadas, pois o países já possuiu regras nacionais e segue as determinações de exportação da UE – que vão além do novo tratado internacional. Mas Matthias John considera que a Alemanha e outros países europeus têm  "a obrigação de reforçar a prática de exportação de armamento baseando-se no tratado" da ONU.

Leia mais