1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Transparência demais prejudica

Os dois alemães seqüestrados no Iraque durante 99 dias foram finalmente libertados. O jornalista Peter Philipp, da Deutsche Welle, critica as especulações da mídia sobre um possível pagamento de resgate.

default

René Bräunlich e Thomas Nitzschke, que foram seqüestrados no Iraque

Após a libertação dos dois reféns alemães no Iraque, restam diversas questões que prometem ficar em aberto. E é bom mesmo que elas não sejam esclarecidas. Afinal, apesar de toda a defesa da liberdade de imprensa e de informação, transparência demais prejudica.

Não prejudica mais os libertados, mas sim os outros alemães que se encontram no Iraque – e talvez em outras regiões em crise. Não foi por acaso que os dois engenheiros de Leipzig foram seqüestrados imediatamente após a libertação da refém alemã Susanne Osthoff no Iraque e das especulações e relatos da mídia sobre a suposta quantia de resgate.

Não interessa se são culpados ou inocentes

Em primeiro lugar, em se tratando de pagamento de resgate, transparência é uma questão que não se aplica. Não segundo a lei, mas por mera sensatez. A Alemanha não se envolveu na guerra do Iraque, mas isso não poupa a Alemanha e os alemães de possíveis conseqüências desta guerra.

Seqüestradores são terroristas – independentemente de estarem exercendo seu ofício por motivos políticos ou "apenas" para levantar dinheiro. E terroristas não ponderam a escolha de suas vítimas. Culpados? Inocentes? Envolvidos no conflito ou não? Isso é indiferente aos terroristas. O principal é atingir a meta a que eles se propuseram, algo que dá manchetes e dá dinheiro.

Qual a responsabilidade do Estado?

Diante deste quadro, não é indicado publicar ou deixar escapar pormenores sobre seqüestros e libertações de reféns. O fato de o governo alemão ter que fazer e de fato fazer tudo para ajudar os reféns está fora de questão e foi também desta vez mais uma vez comprovado. Mas uma outra coisa também não indicada é, após o retorno dos reféns, discutir séria e intensamente se o Estado não deveria impedir que acontecessem seqüestros como este.

Recomendações do Ministério do Exterior visivelmente não são suficientes para impedir cidadãos alemães de viajar a determinadas regiões de risco. Sejam turistas aventureiros, empresários ou – como neste último caso – funcionários de alguma empresa, sempre haverá quem não hesite em arriscar a vida, apesar das recomendações governamentais.

Risco é assunto pessoal

Um sistema político livre nunca estará na situação de garantir que isso jamais aconteça. Mas é preciso haver meios de reduzir os riscos e de punir os responsáveis. A confiança na ajuda do governo é positiva, em caso de emergência, mas não é pertinente abusar desta ajuda como uma carta branca.

Fernschreiber Autorenfoto, Peter Philipp

Mesmo diante da urgência em reconstruir o Iraque e do interesse das firmas alemãs em participar deste processo, os alemães não têm nada a ganhar se mantendo no país, até que a segurança e a estabilidade possam ser garantidas. Peter Philipp , jornalista da Deutsche Welle, especialista em Oriente Médio, trabalhou durante 23 anos como correspondente em Israel.

Leia mais