1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Transferências de jogadores diminuem 35%

Os 18 clubes da primeira divisão do Campeonato Alemão (Bundesliga) cortaram drasticamente os gastos com transferência de jogadores.

default

Ze Roberto não jogará mais com a camisa do Leverkusen

No total, os clubes alemães investiram 102,2 milhões de euros na compra de jogadores, 35% a menos do que em 2001. No ano passado, o volume de transferências atingiu o recorde de 150 milhões. Com a redução das cotas de tevê, os clubes dispõem de menos dinheiro e trataram de conseguir jogadores com passe livre.

Dois exemplos: o atacante brasileiro Luizão, que se transferiu do Grêmio para o Hertha Berlim, e o zagueiro Rodrigo Costa, também do Grêmio, que veio para o Munique 1860. Ambos não custaram um centavo aos seus novos clubes.

No total, dos 103 jogadores transferidos neste ano para os clubes alemães da primeira divisão, 58 tinham passe livre. No ano passado foram 116 jogadores, sendo 50 com passe livre.

Jogadores mais caros - Os clubes que mais investiram em jogadores foram o Bayer Leverkusen (26,7 milhões de euros) e o Bayern de Munique (24,5 milhões de euros). O Schalke vem em terceiro (13,25 milhões de euros) e o Borussia Dortmund, atual campão, aparece em quarto (10,1 milhões de euros).

Só para se ter uma idéia, no ano passado o Borussia gastou 36,81 milhões de euros com novos jogadores, inclusive o atacante brasileiro Amoroso, comprado ao Parma por 26 milhões de euros. É, até hoje, a mais cara transferência do futebol alemão.

Em 2001, o jogador mais caro foi o brasileiro Zé Roberto, comprado pelo Bayern de Munique ao Bayer Leverkusen por 9,5 milhões de euros. O segundo mais caro foi o meio-campista alemão Sebastian Deisler, transferido do Hertha Berlim para o Bayern de Munique por 9,0 milhões. E o terceiro é o brasileiro França, ex-são paulino, que custou 8,5 milhões ao Bayer Leverkusen.

Receitas com patrocínio aumentam - Boa parte dos prejuízos com as cotas de tevê pôde ser recompensa com receitas de patrocinadores. O nome na camisa rendeu 88,9 milhões de euros a 15 clubes, um recorde na Bundesliga. Mas três deles - Werder Bremen, Hansa Rostock e Bochum - continuam ainda buscando patrocínio.

No fundo no fundo, mesmo com a crise da tevê, a situação financeira dos 18 clubes alemães da primeira divisão é absolutamente invejável. Seu orçamento global atingiu a soma recorde de 652,4 milhões de euros.

Jogadores brasileiros transferidos antes da temporada 2002/2003:

  • Zé Roberto / do Bayer Leverkusen para o Bayern de Munique / 9,5 milhões de euros
  • França / do São Paulo para o Bayer Leverkusen / 8,5 milhões
  • Juan / do Flamengo para o Bayer Leverkusen / 3,5 milhões
  • Luizão / do Grêmio para o Hertha Berlim / passe livre
  • Rodrigo Costa / do Grêmio para o Munique 1860 / passe livre
  • Paulo Sérgio / do Bayern de Munique para o Al-Wahda da Arábia Saudita / passe livre