1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tragédia une milhares de irlandeses em passeata pró-aborto

Durante dias, a dentista indiana Savita Halappanavar implorou pela interrupção cirúrgica de sua gravidez. Médicos, apoiados na legislação do "país católico", deixaram que ela morresse. População exige mudança.

Segundo estimativas policiais, entre 10 mil e 12 mil pessoas foram às ruas da capital irlandesa, Dublin, neste sábado (17/11), numa passeata pró-aborto. Elas portavam cartazes com dizeres como "nunca mais" e "chega de tragédias", assim como a foto da indiana Savita Halappanavar.

"País católico"

Aos 31 anos, Savita Halappanavar foi vítima de implacáveis leis do país católico

Aos 31 anos, Savita Halappanavar foi vítima de implacáveis leis do país católico

A dentista de 31 anos faleceu no final de outubro, em consequência de uma septicemia, depois que o hospital universitário da cidade de Galway se recusou a submetê-la a um aborto. Grávida de 17 semanas, Halappanavar procurara a instituição com fortes dores nas costas, acompanhada pelo marido.

Segundo este, os profissionais revelaram que ela estava prestes a ter um aborto espontâneo, mas se recusaram a realizar uma intervenção, reportando-se à legislação nacional. Enquanto Savita Halappanavar implorou por um aborto durante vários dias, os médicos argumentavam que a Irlanda é "um país católico".

Ainda segundo o marido, a interrupção da gravidez só foi executada quando o coração do embrião parou de bater. Mas aí já era tarde demais para salvar a vida da dentista. As autoridades irlandesas estão investigando a ocorrência.

Lei implacável

Em Dublin, foi feita uma homenagem em memória de Halappanavar com um minuto de silêncio, diante da sede do governo da primeira-ministra Enda Kenny.

Centenas de moradores de Galway, no oeste irlandês, também se reuniram na noite do sábado (17/11) para uma vigília à luz de velas, apesar do frio extremo. Uma das participantes da manifestação, Margaret Geraghty, lembrou que 50 anos atrás uma mãe morreu sob circunstâncias semelhantes. "Mal posso acreditar que uma coisa assim possa acontecer hoje em dia", comentou.

No país predominantemente católico, a interrupção da gravidez continua sendo tabu. Um veredicto do Supremo Tribunal, de 1992, determinou que o aborto seria, de fato, lícito quando a vida da mãe se encontre em perigo eminente. Porém, até hoje a legislação não foi ajustada à jurisprudência. Há algum tempo, os ginecologistas da Irlanda já vêm reivindicando o preenchimento dessa lacuna na lei.

AV/afp,dapd,kna
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais