1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Tragédia não derruba projeto de Transrapid para Munique

Governo da Baviera mantém planos para construir ferrovia de flutuação magnética entre o aeroporto e o centro de Munique. Continuam negociações para exportar tecnologia para a China.

default

Trecho de Xangai é deficitário

Apesar do acidente ocorrido no trecho de testes do trem de suspensão magnética, que matou 23 pessoas e feriu outras dez na sexta-feira (22/09) em Lathen (Baixa Saxônia), continua de pé o projeto de uso comercial da tecnologia do Transrapid na Alemanha.

O secretário de Finanças da Baviera, Erwin Huber, disse que é impossível ocorrer em Munique um acidente como o que aconteceu na região de Emsland, no norte do país. "Um trecho de testes está sujeito a outras exigências do que um trajeto comercial, que terá um sistema de segurança tecnicamente mais maduro", afirmou.

Wolfgang Tiefensee zum Transrapid Unglück

Tiefensee (d): acidente não afeta projeto de Munique

Também o ministro dos Transportes, Wolfgang Tiefensee, garantiu que o projeto de construção dos 37 km de trilhos para o trem magnético entre o aeroporto e o centro de Munique não foi atingido pela tragédia de sexta-feira.

Opinião semelhante foi manifestada pelo perito em transportes da bancada da União Democrata Cristã (CDU) no Bundestag, Dirk Fischer. "Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O acidente com o ICE em 1998 em Eschede [veja link abaixo] também não significou o fim da companhia Deutsche Bahn", comparou.

O projeto de Munique deve custar entre 1,6 e 1,8 bilhão de euros. Os governos federal e estadual ainda não chegaram a um acordo sobre o financiamento: Berlim prometeu 550 milhões de euros; a companhia ferroviária alemã Deutsche Bahn pretende participar com 185 milhões de euros, valor semelhante ao que o Estado da Baviera está disposto a gastar. Falta ainda mais de meio bilhão de euros.

Negócio da China

O consórcio do Transrapid, formado pela ThyssenKrupp e Siemens, argumenta que é preciso ter um trecho referência na Alemanha, para poder vender a tecnologia no exterior, o que foi ancorado inclusive no acordo de coalizão do atual governo.

A porta-voz da Transrapid International, Claudia Hohmann, desmentiu informações divulgadas na mídia alemã de que as negociações com a China estariam prestes a serem interrompidas, após a visita de uma delegação chinesa ao local do acidente na Alemanha. "As negociações continuam", garantiu.

O único trecho de Transrapid em operação comercial no mundo são os 31 km entre o aeroporto e o centro de Xangai. A Alemanha cobre 10% do orçamento de 783 milhões de euros para a operação do trecho. O projeto, previsto como publicidade para a tecnologia alemã do trem de levitação magnética, é altamente deficitário. Em 11 de agosto passado, houve um incêndio no trem, causado por problemas elétricos, mas que não causou vítimas. Há anos, alemães e chineses negociam a ampliação dos trilhos em mais 200 km até a cidade de Hangzhou.

Falha humana?

Transrapid-Unglück

Trem destruído continua nos trilhos

Até agora, o "pessimismo tecnológico" que comumente sucede a acidentes graves não ganhou muito espaço na mídia alemã porque as autoridades disseram ter indícios de que a tragédia em Lathen foi causada por falha humana.

No domingo (25/09), representantes do consórcio que desenvolveu o Transrapid admitiram, durante reunião no Ministério dos Transportes, lacunas no esquema de segurança do trecho. Eles, porém, teriam descartado a possibilidade de um acidente semelhante acontecer em Munique, disse Tiefensee.

Os governos federal e do Estado da Baviera encomendaram um parecer técnico independente sobre a segurança do Transrapid. "Este parecer ficará pronto em seis a oito semanas. Se for necessário, melhoraremos ainda mais o projeto de segurança para o trecho em Munique", avisou Huber. Ele disse esperar a autorização para a construção do trajeto em meados do ano que vem.

O porta-voz do Partido Verde no Parlamento alemão, Winfried Hermann, pronunciou-se contra o uso comercial deste tipo de trem na Alemanha. "Além dos complicados problemas de segurança, a tecnologia custa o dobro de uma ferrovia convencional", disse. "Em regiões como o centro da Europa, o Transrapid não é competitivo", acrescentou o vice-líder da bancada verde, Jürgen Trittin.

O trem magnético destruído na colisão em Lathen, o único exemplar do tipo TR08, continua no local do acidente. Ainda não se sabe se o trecho voltará a ser usado. A partir do ano que vem, deveria ser testado no local o TR09, modelo previsto para circular em Munique.

Leia mais