Trabalho sem remuneração, uma realidade para jovens alemães | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 28.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Trabalho sem remuneração, uma realidade para jovens alemães

Empresas alemãs usam estagiários como mão-de-obra barata ou não remunerada para trabalhos anteriormente exercidos por funcionários contratados por período integral. Ministério do Trabalho pretende fazer algo contra isso.

default

Juventude quer trabalhar a qualquer custo, mesmo sem remuneração

Nora Neye (27) faz parte da chamada "geração de estagiários" na Alemanha – um clube ao qual ela não optou. Ela é uma das inúmeras pessoas de 20 a 30 anos com formação acadêmica, mas sem a sorte de ter encontrado um emprego em período integral. A opção que restou a essa geração foi aceitar uma série de estágios, geralmente não remunerados, na esperança de que um deles pudesse levar a um emprego fixo. No final, é comum o estagiário ir embora desapontado ou amargurado, e geralmente bem mais pobre. "Tirar um diploma e depois encontrar um trabalho adequado parece cada vez mais difícil", ela diz. "Se você não tiver feito um número razoável de estágios, não vai encontrar emprego." Novas diretrizes O ministro alemão do Trabalho, Olaf Scholz, quer acabar com a exploração dos estagiários. Ele pretende regulamentar o pagamento apropriado dos estagiários com formação universitária e a determinação de suas funções no início do trabalho, a fim de evitar que eles sejam explorados como mão-de-obra barata. "Estagiários são úteis, mas há um certo abuso. Temos que fazer algo contra isso", declarou Scholz à imprensa. O ministro social-democrata se remete a um estudo do Instituto Federal de Segurança e Saúde Ocupacionais (Baua) realizado com 2 mil jovens entre 18 e 34 anos sobre suas experiências de estágio. Embora todos tenham nível superior completo, 51% não foram remunerados como estagiários e 12% consideram insuficiente o pagamento recebido. A meta do Ministério, no entanto, não é acabar com os estágios ou impor um salário mínimo, mas apenas tomar medidas para que os estagiários obtenham um tratamento justo, já que este grupo tende a aumentar. Na faixa etária de 30 a 34 anos, 17% dos trabalhadores têm experiências de estágio; entre os jovens de 18 a 24 anos, a cota é de 25%. Novo modelo econômico? Tradicionalmente, os estágios eram vistos como uma forma de introduzir os jovens no mercado de trabalho. Para os recém-formados, eles funcionavam como uma ponte para um emprego fixo, especialmente porque os estagiários não são usados apenas para fazer café e fotocópias, mas assumem funções relevantes. "Eles têm uma formação sólida e o conhecimento necessário para assumir tarefas importantes", confirma Rene Rudolf, da Confederação Alemã dos Sindicatos (DGB). Bettina König, diretora da Fair Work, uma iniciativa para revalorizar os estágios, remete à estagnação da economia alemã em 2001, uma época em que os empregos eram raros e as empresas temiam contratar funcionários, ao mesmo tempo em que os recém-formados passaram a procurar estágios de baixa ou nenhuma remuneração, só para ganhar experiência e talvez conseguir aprimorar suas qualificações. "Mas mesmo agora, com o surto econômico, esse modelo se estabeleceu em diversas empresas", constata König. "Acho que isso só mudará com algum tipo de intervenção governamental." Excesso e falta de regulamentação Alguns políticos e grupos de empregadores são contra qualquer tipo de nova regulamentação por parte do governo. A ministra alemã da Educação, Annette Schavan, se opõe à criação de mais "regras burocráticas", questionando ao mesmo tempo a validade do estudo da Baua. O presidente da Confederação das Associações de Empregadores Alemães (BDA), Gerhard Braun, declarou ao Financial Times Deutschland que uma maior regulamentação e a estipulação de um piso salarial poderia levar as empresas a suspender seus programas de estágio. Por outro lado, há quem pense que as mudanças sugeridas pelo Ministério não sejam suficientes. O líder sindical Rene Rudolf, da DGB, quer estipular uma duração máxima de três meses, condições de pagamento e uma definição precisa do que é um estágio. A idéia é uma relação de aprendizado com a empresa, não uma mera relação de trabalho.

Leia mais