1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Trabalho necessário, mas ilegal

O impasse em torno da nova lei de imigração na Alemanha faz com que cada vez mais empregados domésticos sejam empregados ilegalmente.

default

Empregados domésticos cada vez mais requisitados

Não se sabe quantos empregados domésticos trabalham ilegalmente na Alemanha. O Ministério do Trabalho não dispõe de dados, mas – de acordo com informações extra-oficiais – o número pode chegar a 100 mil. Para pôr fim a esta ilegalidade, o governo regulamentou a situação no início de 2002, através de dois decretos provisórios, a serem incluídos numa nova lei de imigração. Como o parlamento alemão não chegou a nenhum consenso, os decretos foram suspensos no final do ano passado. Mesmo sendo ilegal, o emprego de estrangeiros no trabalho doméstico está virando uma necessidade na Alemanha.

Lei de vida curta - Mais do que por luxo, muitas pessoas precisam do auxílio de um empregado doméstico para continuar vivendo. Isso se aplica, por exemplo, aos idosos que preferem morar em casa a viver num asilo. No curto intervalo em que vigoraram os decretos, a central estatal de oferta de empregos, em Bonn, conseguiu colocação para 996 empregados domésticos, entre os quais 783 da Polônia. A legalização se restringia apenas a pessoas dos cinco países do Leste Europeu a ingressarem em primeiro lugar na União Européia: Polônia, Eslováquia, Eslovênia, República Tcheca e Hungria.

Cada vez mais ilegais - O governo alemão está discutindo a nova lei de imigração desde fevereiro, sem chegar a nenhum consenso. Enquanto isso, grassa pela Alemanha o trabalho ilegal de empregados domésticos do Leste Europeu. O principal motivo da resistência à legalização é o alto preço dos encargos sociais, que incluem contribuições para aposentadoria, salário-desemprego, seguro contra acidente, entre outras coisas.

O preço da legalidade - Um empregado ilegal recebe em média 800 euros, além de moradia e comida de graça. O pagamento de um emprego legal, por sua vez, deve se basear no salário mínimo. O empregador paga 1872,72 euros bruto por mês, sendo que o empregado embolsa apenas 800 euros. Do restante, são descontados os encargos sociais, bem como moradia e alimentação. Apesar de sair bem mais cara, esta solução seria um alívio ao empregado, cuja ilegalidade implica o constante medo de ser descoberto e extraditado, multado ou processado.

Leia mais