1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Tróia cantada por Homero pode ser mais oriental do que se pensava

Austríaco retraduz 'Ilíada' para o alemão e localiza na fronteira turco-síria o cenário da epopéia sobre a Guerra de Tróia, um revisionismo histórico-literário que deslocaria para o Oriente o berço da cultura ocidental.

default

Homero, idealizado pelo Ocidente como um bardo cego

A descoberta de Tróia se deve ao fato de o alemão Heinrich Schliemann ter levado a sério a Ilíada de Homero e reunido pistas literárias para sua investigação arqueológica. Agora, o escritor e tradutor austríaco Raoul Schrott causa polêmica na Alemanha por sugerir que as descrições homéricas de Tróia remetem às paisagens da antiga Cilícia, localizada na fronteira mediterrânea entre a atual Turquia e Síria. Isso significaria que o berço do Ocidente pode mais oriental do que se pensava. Após ter traduzido a epopéia suméria Gilgamesh para o alemão, Schrott, livre-docente em Literatura Comparada, dedicou os últimos anos a uma nova tradução da Ilíada, a ser publicada em março próximo. No prefácio à edição, publicado em excertos na imprensa alemã, o escritor enfatiza as influências orientais sobre a obra e propõe uma nova imagem de Homero.
Österreich Schriftsteller Raoul Schrott

Raoul Schrott

Na visão de Schrott, a Ilíada tem uma construção elaborada demais para ser considerada uma obra transmitida oralmente através dos séculos, até terem surgidos os primeiros registros escritos. O tradutor identifica Homero como um escriba grego a serviço de soberanos assírios, descobrindo em sua epopéia motivos, personagens e episódios do Gilgamesh. Redescoberta da Tróia homérica O enredo da Ilíada remeteria a acontecimentos históricos ocorridos por volta de 700 a.C. na Cilícia, uma premissa que leva Schrott a concordar com os filólogos que datam a obra de 660 a.C. Isso explicaria por que teria se passado tanto tempo, quase meio milênio, entre a Guerra de Tróia e os primeiros registros escritos da epopéia homérica. O palco da Ilíada é a Grécia, mas – segundo a teoria – o cenário histórico e geográfico das descrições homéricas ficaria mais para o leste, uma estreita faixa ao longo do Mediterrâneo habitada no século 7º a.C. por povos orientais e usada por colonos gregos como ponto de partida para expedições no interior do continente. A proposta revisionista de Schrott, recebidas com reservas pela opinião pública pelo fato de ele não ser helenista nem historiador, se baseiam – em parte – em teses já formuladas na filologia antiga. Mas as coincidências pontuais que ele destaca entre a descrição de Tróia por Homero e uma localidade diferente da cidade descoberta por Schliemann faz sua teoria soar como uma sensação. (sm)

Leia mais