1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Três meses de cultura latina em Hamburgo

Cultura latino-americana estará em destaque num festival que acontece no Museu Etnográfico. Organizadores garantem ter cuidado para não reforçar estereótipos.

Embora Hamburgo desempenhe um papel importante dentro da maior economia da Europa, a cidade portuária no norte da Alemanha não dorme sobre os louros do sucesso. As autoridades locais estão em constante competição com os outros estados alemães para persuadir investidores estrangeiros a instalarem suas empresas na cidade. E elas sabem que o aspecto cultural tem um papel importante nas negociações.

Por isso, Hamburgo organiza eventos especiais, como China Time e India Week, e agora o primeiro Outono Latino-Americano, festival que começa neste domingo (21/09) no Museu Etnográfico. O evento reúne concertos, dança, teatro, cinema, culinária e atividades para promover o espanhol. A cidade desembolsou 30 mil euros na organização e promoção do festival.

Os consulados latino-americanos de Hamburgo e a Fundação União Europeia, América Latina e Caribe também apoiam a iniciativa. "Nas últimas décadas, a tendência foi esquecer os vínculos entre Hamburgo e a América Latina ao longo dos séculos. Nossa cidade e as nações latino-americanas querem mudar isso. Hamburgo não quer reforçar laços apenas com a China", diz Wulf Köpke, diretor do Museu Etnográfico. Ele enfatiza que o festival é um projeto ambicioso.

Veranstaltungsreihe „Lateinamerika Herbst“ (Hamburg) 2014

O ensamble de jazz peruano Perfektomat faz parte do Outono Latino-Americano

Algo mais do que folclore e cultura pré-colombiana?

"Em sua primeira edição, o Outono Latino-Americano destacará a gastronomia, história e tradições de Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Peru, Uruguai e Venezuela", diz Maria Alejandra Diaz Huertas, coordenadora do festival, deixando a impressão que a curadoria do evento se concentrou nos aspectos mais conhecidos dos países ao sul do Rio Bravo: o legado das civilizações pré-colombianas e as manifestações folclóricas.

Se alguns países do continente estão na mira de Hamburgo pela ascensão do seu desenvolvimento industrial e tecnológico, cabe a pergunta por que características modernas e cosmopolitas desses países não fazem parte do programa do festival. Onde estão as exposições com o trabalho de artistas contemporâneos e designer gráficos da região? As mostras de animação digital, apps e jogos de videogame feitos na América Latina? Os shows de rock e hip hop? O festival não reforçará o estereótipo de que o talento latino-americano se resume ao artesanal?

Quebrar estereótipos

"Sempre se corre esse risco. Por outro lado, esse é o primeiro Outono Latino-Americano, e o festival dura três meses; por isso temos tempo de sobra. Não é necessário mostrar todos os aspectos da cultura latino-americana de uma vez só", argumenta Köpke. "Nós não queremos deixar de fora nenhuma área da cultura. Portanto, além do folclórico, também incluímos concertos de música clássica e jazz, oficinas de literatura contemporânea e filmes atuais", acrescenta Diaz Huertas.

"Um recital do violoncelista cubano vai abrir o Outono Latino-Americano, e o violoncelo não é um instrumento que os hamburgueses associem imediatamente a Cuba ou à América Latina. Acabar com esses preconceitos também é um dos nossos objetivos", diz o diretor do Museu Etnográfico.

O festival Latineamerika Herbst (Outono Latino-Americano) acontece no Museu Etnográfico de Hamburgo até 21 de dezembro.

Leia mais