1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Três anos após seu início, crise do euro ainda parece longe do fim

A crise da dívida na Europa começou em Atenas há três anos. Desde então, os países afetados lutam sem sucesso contra as dívidas. Analistas veem ainda problemas a resolver e avisam que situação pode até piorar.

ARCHIV - ILLUSTRATION - Durch eine Langzeitbelichtung mit einer Bewegung der Kamera verwischt am 29.11.2005 das beleuchtete Logo der Europäischen Zentralbank in Frankfurt/Main. Die Euro-Finanzminister beraten in Brüssel darüber, wie die Krise eingedämmt werden kann. Nicht nur das krisengeschüttelte Griechenland, sondern auch Italien macht die Märkte nervös. Foto: Frank May dpa (zu dpa 0135 vom 11.07.2011) +++(c) dpa - Bildfunk+++

Symbolbild Krise Euro EU Währung Schulden

Enquanto num orçamento privado o aconselhável é não se gastar mais do que se ganha, para um Estado o endividamento pode se mostrar uma estratégia acertada − especialmente quando se trata de investimentos a longo prazo, pois novas rodovias e escolas beneficiam também as gerações futuras.

Muitos políticos, porém, fizeram do endividamento uma prática sistemática, financiando diversas promessas de campanha com dinheiro emprestado. Dessa forma, a montanha de dívidas na Alemanha cresceu de cerca de 20 bilhões de marcos alemães (10 bilhões de euros) em 1950 para mais de 2 trilhões de euros no ano passado.

Já as dívidas nacionais da zona do euro mais que duplicaram desde 1997. Pelo fato de terem acesso durante anos a tomar dinheiro emprestado a uma baixa taxa de juros, similar à da Alemanha, os países se serviram à vontade e desfrutaram de uma vida de gastos − até a crise na Grécia estourar.

Como conseqüência disso, foram necessários até agora dois pacotes de resgate no total de 240 bilhões de euros. Credores privados tiveram que abrir mão de 100 bilhões de euros. E os gregos precisaram economizar bastante. O déficit orçamentário do país, descontadas as influências conjunturais, foi reduzido desde 2009 ao equivalente a 14% do Produto Interno Bruto (PIB).

Entretanto, o país ainda está longe de sair do vermelho. Sua dívida pública caminha novamente para a marca de 160% do PIB − tão alta como já fora antes do perdão da dívida. O motivo é o fato de a economia grega ter encolhido 20% desde 2008. Assim a dívida pública aumenta em relação ao PIB, mesmo quando a dívida total permanece constante.

Zu sehen ist Prof. Achim Wambach, Direktor des Instituts für Wirtschaftspolitik an der Universität Köln. Das Foto wurde am 15. Oktober 2012 von Zhang Danhong (DW) gemacht von Anlass war der Auftakt der Ringvorlesung der Uni Köln über Eurokrise.

Wambach vê problemas não resolvidos nos bancos europeus

Dívidas que não diminuem

Em outros países em crise, a recessão também frustra todos os esforços para economizar. Com isso, 11 dos 17 países da zona do euro ultrapassaram neste ano o limite do déficit permitido pela União Europeia, de 3% do PIB. A dívida pública na área da moeda comum marchou para a marca dos 90% do PIB, bem acima do limite estipulado de 60%.

Seria isso uma declaração de falência da política europeia para a crise? Achim Wambach, diretor do Instituto de Política Econômica da Universidade de Colônia, afirma que não. "Para colocarmos a dívida sob controle, deve ocorrer um processo de encolhimento que automaticamente trará mais discórdia", diz, avisando que a situação deve piorar. "Vemos muitos problemas aparecerem nos bancos. Eles ainda não foram todos ajustados. Os Estados também devem intervir nesse aspecto", aconselha Wambach, em entrevista à Deutsche Welle.

Tudo custará dinheiro para o Estado, seja no caso de os bancos terem que ser resgatados ou liquidados. Por isso, Wambach acredita que a zona do euro terá que viver por um longo tempo com um alto nível de endividamento. "A questão é se vamos conseguir que as medidas econômicas realmente façam efeito", diz o especialista. Ele cita como exemplo da flexibilização do mercado de trabalho e a abertura do setor de serviços. E neste sentido ele vê os primeiros sinais de sucesso em países como Irlanda, Portugal, e mesmo a Grécia.

Itália tem dificuldade com reformas

Dessa forma, os custos unitários do trabalho, que são as despesas com trabalho por unidade do produto, caíram 14% na Grécia desde 2010. Irlanda e Portugal também estão se recuperando em termos de competitividade. Apenas na Itália houve pouco progresso.

"Lá, o mercado de trabalho é fortemente regulado. É muito difícil para as empresas reagir de forma a flexibilizar sua mão de obra", ressalta Hanns Abele, professor da Universidade de Economia de Viena. No país, toda demissão pode ser impugnada na Justiça. Se o empregado ganha o processo, tem que ser empregado novamente. Se ele decide ir por conta própria, é "recompensado" pelo antigo empregador com 15 vezes o seu salário. O poder dos sindicatos impediu que o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, conseguisse uma flexibilização das regras trabalhistas.

epa03268249 Italian workers demonstrate against the Italian government's austerity measures in a protest organized by the three main Italian trade unions, Rome, Italy, 16 June 2012. Italian Prime Minister Mario Monti's government on 15 June presented a package of measures aimed at stimulating growth in the eurozone's third-largest economy which, according to data issued this week, remains mired in recession. The 'rowth decree' reportedly aims to mobilize about 45 billion euros (56 billion dollars) in funds, and includes measures to sell state assets and 'reduce the structure' of the bureaucracy, Monti said. EPA/MASSIMO PERCOSSI +++(c) dpa - Bildfunk+++

Protesto na Itália: força dos sindicatos impede flexibilização trabalhista no país

Enquanto a dívida pública permanece no alto nível de 120% na terceira maior economia da zona do euro, a economia do país mergulha cada vez mais fundo na recessão. "É claro que uma economia com redução generalizada na demanda torna difícil uma redução da dívida", reconhece Abele. "Mas um primeiro passo deve ser tentar evitar novos endividamentos."

Alemanha não é bom exemplo

Isto não ocorre nem na Itália nem na Espanha. Mesmo a potente Alemanha consegue apenas zerar o orçamento, apesar de sua arrecadação recorde de mais de 600 bilhões de euros este ano. Se o país financeiramente mais forte na zona do euro tiver que honrar uma ou outra garantia, as dívidas do país podem rapidamente sair do controle. Será que a zona do euro inteira terá que pedir em algum momento um perdão da dívida?

"Esta é certamente uma preocupação", observa Achim Wambach. Há analistas que acreditam que o euro quebrará de qualquer maneira, porque a política não conseguirá colocar a situação sob controle. "Por isso é importante que a União Europeia obtenha também instrumentos para intervir na política fiscal, para controlá-la, pelo menos", ressalta.

Ele se refere ao pacto fiscal, que entra em vigor a partir de 2013. Hanns Abele também espera que, com ele, sejam reduzidos novos endividamentos dos países. No entanto, "a experiência com os últimos acordos contratuais, como, por exemplo aqueles relativos às regras do Tratado de Maastricht, não permitem grandes expectativas", pondera Abele. Os critérios de Maastricht sobre limites de endividamento foram desrespeitados pelos países da zona do euro mais de 80 vezes até agora.

Autora: Danhong Zhang (md)
Revisão: Mariana Santos

Leia mais