Total busca solução para conter vazamento de gás em plataforma no Mar do Norte | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Total busca solução para conter vazamento de gás em plataforma no Mar do Norte

Especialistas estudam alternativas para conter o vazamento, que já dura três dias. A preocupação é que nuvem de gás atinja chama da plataforma.

A companhia francesa Total tenta controlar o vazamento de gás iniciado há três dias em uma de suas plataformas no Mar do Norte. A plataforma de Elgin, localizada a 241 quilômetros da costa de Aberdeen, no leste da Escócia, já foi completamente evacuada.

A preocupação agora é com a queima de óleo, na parte superior da plataforma. "A chama está acesa, como acontece normalmente na plataforma", disse um porta-voz. Especialistas advertemque o gás que está vazando pode entrar em contato com as chamas e causar uma explosão.

David Hainsworth, executivo da Total no Reino Unido, disse que a massa de gás que vaza atualmente está indo para longe das chamas. "Nós sabemos, de acordo com a previsão do tempo, que o vento manterá a mesma direção pelos próximos seis dias e estamos avaliando as alternativas para extinguir o fogo", disse Hainsworth à emissora BBC.

As chamas nas plataformas geralmente são usadas para queimar o excesso de gás que resta ou que o equipamento não consegue capturar. Martin Preston, especialista em poluição marinha na Universidade de Liverpool, disse que o interessante é que as chamas permanecem lá, mesmo três dias depois de a plataforma ter sido desativada.

Chama que queima o gás não capturado pelos equipamentos agora é motivo de preocupação

Chama que queima o gás não capturado pelos equipamentos agora é motivo de preocupação

"Em um fogão, quando você desliga o gás, a chama permanece por pouco tempo e se apaga". Esperávamos o mesmo acontecesse com o desligamento da plataforma, disse. Preston acrescentou que é difícil prever se a plataforma irá explodir, porque o vazamento acontece abaixo da base do equipamento, mas um vento forte poderia levantar este gás e fazer contato com as chamas.

O vazamento e a possibilidade de um conserto caro fizeram as ações da Total cair 6% na bolsa de Paris nesta quarta-feira (28/3).

De acordo com as autoridades britânicas, o impacto ambiental causado pelo vazamento de gás e de óleo é mínimo, mas especialistas em contaminação disseram que grande parte do gás pode ser inflamável e tóxico. A fina camada de óleo deve evaporar-se, sem precisar da ajuda de solventes.

Denúncias dos ambientalistas

Ambientalistas denunciam os perigos das perfurações muito profundas que existem pelo mundo todo. A plataforma Elgin bombeia quase 3% da produção de gás do Reino Unido, a perfuração chega a 6 quilômetros abaixo do solo marinho e utiliza tecnologia de vanguarda. Este é um dos vazamentos de gás natural em alto-mar com maior pressão e maior profundidade do mundo.

O Greenpeace também criticou os novos incentivos do governo britânico para a exploração em águas profundas do Oceano Atlântico, a oeste de Shetland. Frederic Hauge, líder do Bellona, o principal grupo ambientalista da Noruega e que acompanha a indústria do petróleo no Mar do Norte, se mostrou surpreso: "Este é um poço do inferno", disse. "Este problema está fora de controle", completou.

Citando fontes anônimas de sua organização, Hauge afirmou que os trabalhadores da plataforma permaneceram por 14 horas tentando conter o vazamento, antes que alguém viesse resgatá-los. "Eles viram bolhas de gás natural no mar, embaixo da plataforma", comentou. "Isto é horrível. Esta situação vai piorar cada vez mais", concluiu.

Alternativas de fechamento

"Existem duas alternativas para intervir", disse Hainsworth à agência de notícias Reuters. "Uma é perfurar um poço de alívio, isso poderia levar uns seis meses. A outra opção é uma intervenção na plataforma para fechar o poço. (...) Esta seria uma opção mais rápida", comentou. Mais rápida, mas mais perigosa, já que seria preciso enviar um grupo de engenheiros até lá.

Além de mobilizar entre 10 e 20 engenheiros especializados, a Total também contratou os serviços da Wild Well Control, que em 2010 trabalhou ativamente para conter o fluxo de óleo da plataforma Deepwater Horizon no Golfo do México.

"Estamos explorando todas as opções e analisando situações hipotéticas", disse, mostrando a possibilidade de que a própria natureza solucione o problema. "O poço poderia morrer sozinho. Esta seria a opção ideal", finalizou Hainsworth.

KR/afp/rtr
Revisão: Roselaine Wandscheer