1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Torcidas alemãs silenciam em protesto contra novas regras de segurança

Na campanha 12:12, torcida faz 12 minutos e 12 segundos de silêncio nos jogos da Bundesliga, em protesto contra novas regras de segurança em estádios. Medidas preveem revistas na entrada nos jogos e fim de lugares em pé.

Fußball Bundesliga 14. Spieltag: Eintracht Frankfurt - 1. FSV Mainz 05 am 27.11.2012 in der Commerzbank-Arena in Frankfurt am Main (Hessen). Die Mainzer Fans machen mit einem Transparent auf die Schweige-Aktion der Fußballfans in der 1. und 2. Bundesliga aufmerksam. Foto: Arne Dedert/dpa (Achtung Hinweis zur Bildnutzung! Die DFL erlaubt die Weiterverwertung von maximal 15 Fotos (keine Sequenzbilder und keine videoähnlichen Fotostrecken) während des Spiels (einschließlich Halbzeit) aus dem Stadion und/oder vom Spiel im Internet und in Online-Medien. Uneingeschränkt gestattet ist die Weiterleitung digitalisierter Aufnahmen bereits während des Spiels ausschließlich zur internen redaktionellen Bearbeitung (z. B. via Bilddatenbanken).)

Fussball Bundesliga 14. Spieltag: Eintracht Frankfurt - 1. FSV Mainz

Durante duas rodadas, torcedores da Alemanha conseguiram proporcionar um clima estranho nos estádios de futebol do país. Os primeiros 12 minutos e 12 segundos da maioria das partidas da Bundesliga (campeonato de futebol da primeira divisão) desta semana foram jogados frente a uma plateia quase totalmente silenciosa. Essa foi a maneira que as torcidas encontraram para protestar contra um catálogo de novas medidas de segurança, feito pelas autoridades da Liga Alemã de Futebol (DFL, na sigla em alemão), entidade promotora do torneio.

No jogo de sábado entre Bayer Leverkusen e Nürnberg, alguns dos torcedores ainda abandonaram o BayArena nos primeiros momentos de jogo, retornando às arquibancadas após 12 minutos. Durante esse período, tudo o que se podia ver na área tradicionalmente ocupada pelos torcedores mais apaixonados eram faixas de protesto, uma das quais dizia: "É isso que você quer? Nosso caminho não vai acabar aqui. A cultura dos torcedores não vai virar uma lenda."

Fußball Bundesliga, 6. Spieltag, VfL Wolfsburg - 1. FSV Mainz 05 am 30.09.2012 in der Volkswagen-Arena in Wolfsburg. Der Mainzer Trainer Thomas Tuchel ist vor dem Spiel in der Arena. Foto: Peter Steffen dpa/lni (Achtung Hinweis zur Bildnutzung! Die DFL erlaubt die Weiterverwertung von maximal 15 Fotos (keine Sequenzbilder und keine videoähnlichen Fotostrecken) während des Spiels (einschließlich Halbzeit) aus dem Stadion und/oder vom Spiel im Internet und in Online-Medien. Uneingeschränkt gestattet ist die Weiterleitung digitalisierter Aufnahmen bereits während des Spiels ausschließlich zur internen redaktionellen Bearbeitung (z. B. via Bilddatenbanken).) +++(c) dpa - Bildfunk+++

Treinador Thomas Tuchel do Maiz, não vê graça em jogos sem barulho

Os protestos causaram um efeito inquietante em campo, com os jogadores de repente conseguindo ouvir os gritos dos outros e o bater das chuteiras na bola ecoando das arquibancadas. "Achei horrível e estranho", disse o treinador do Frankfurt, Armin Veh, após o confronto de seu time com o Mainz, no sábado. "Os primeiros 12 minutos não tiveram o clima de Bundesliga", acrescentou o capitão do time, Pirmin Schwegler.

"Não há dúvida de que assim não tem graça", disse o técnico Thomas Tuchel, do Mainz. "O apoio dos torcedores é parte de tudo. É realmente estranho quando você sabe que o lugar está cheio, mas todo mundo está quieto."

Sem fogos de artifício

Os jogadores terão de suportar essa "tortura" por mais alguns jogos antes de o protesto acabar, em 12 de dezembro, quando os clubes devem sancionar as novas regras. Entre as propostas que mais provocam a revolta das torcidas estão a redução de ingressos para torcidas visitantes de 10% para 5% da capacidade total dos estádios, a extinção dos lugares em pé nos estádios, além da proibição de fogos de artifício e introdução de revistas sistemáticas para todos os torcedores nas entradas dos jogos.

Após dois dias de protestos, aos quais aderiram tanto os torcedores comuns como os mais radicais, chamados "ultras", as torcidas organizadas afirmam que a DFL agora é forçada a tomar uma atitude. "Basicamente, agora a DFL deve dizer 'estamos vendo que todos estão contra, por isso vamos tentar de novo dialogar'", afirmou Philip Markhardt, porta-voz da iniciativa 12:12 e da organização de torcedores Pro Fans. "Este plano vai causar uma profunda divisão entre os torcedores e a DFL."

Alguns clubes também manifestaram suas preocupações sobre o novo plano. O presidente do Hannover, Martin Kind, sugeriu o diálogo. "Queremos continuar o diálogo e repensar sobre se o 12 de dezembro deve ser mesmo o prazo final", comentou ao jornal Frankfurter Allgemeine. Ele também pediu aos torcedores que leiam as propostas, pois, segundo ele, elas foram elaboradas levando-se em consideração os interesses e a segurança dos torcedores.

Fußball 1.Bundesliga 14. Spieltag: Hamburger SV - FC Schalke 04 am 27.11.2012 in der Imtech Arena in Hamburg. Schalkes Fans schweigen während eines Protestes in den ersten zwölf Minuten des Spiels. Foto: Christian Charisius/dpa (Achtung Hinweis zur Bildnutzung! Die DFL erlaubt die Weiterverwertung von maximal 15 Fotos (keine Sequenzbilder und keine videoähnlichen Fotostrecken) während des Spiels (einschließlich Halbzeit) aus dem Stadion und/oder vom Spiel im Internet und in Online-Medien. Uneingeschränkt gestattet ist die Weiterleitung digitalisierter Aufnahmen bereits während des Spiels ausschließlich zur internen redaktionellen Bearbeitung (z. B. via Bilddatenbanken).)

"Contra penalidades coletivas!", pedem torcedores

Mas os torcedores acusam o novo catálogo de regras de ser o resultado da pressão política alimentada por reportagens que demonizam os fãs de futebol como "ultras", "vândalos" e "hooligans". Em entrevista à revista especializada em futebol Kicker, Thomas Weinmann, representante dos torcedores do Borussia Mönchengladbach, afirmou ter havido uma "extrema redução da violência" nos últimos anos. "Hoje, um jogo de futebol é um evento familiar", disse ele. "As crianças vêm ao estádio, as mulheres são muitas vezes um terço do público. A atmosfera nos estádios é ótima, e, na maioria das vezes, pacífica", argumentou.

Ainda assim, essa imagem está em desacordo com as últimas manchetes, como as que apareceram após o jogo de sexta à noite, entre Fortuna Dusseldorf e Frankfurt Eintracht, onde 98 pessoas foram presas durante confrontos entre torcedores fora do estádio do Fortuna. Apesar disso, uma campanha, chamada "I Feel Safe", foi iniciada por torcedores em outubro, reunindo mais de 57 mil assinaturas, em um esforço para convencer as autoridades de que a violência no futebol não é tão grave como pensam.

Bilhetes baratos

Os torcedores argumentam que vão perder muito com as novas medidas. Para Jan-Henrik Gruszecki, porta-voz da torcida organizada do Dortmund, as novas medidas causarão danos reais, porque podem destruir um detalhe que faz com que muitos europeus tenham inveja da Bundesliga: a cultura de torcida. Ele argumenta que em um campeonato onde não há ricos e oligárquicos proprietários de clubes vindos do estrangeiro, a cultura futebolística tem uma posição privilegiada e deve ser preservada.

Der Vorsitzende der Geschaeftfuehrung der Deutschen Fussball-Liga Christian Seifert ist am Donnerstag, 13. Maerz 2008, in Frankfurt am Main waehrend der Bekanntgabe des Bundesliga-Reports 2008 zu sehen. (AP Photo/Michael Probst) ---Chairman fo German Soccer League Christian Seifert is seen during the annual press conference in Frankfurt, central Germany, Thursday, March 13, 2008. (AP Photo/Michael Probst)

Seifert diz não haver planos para extinção de lugares em pé

"Se os bilhetes para as torcidas visitantes são reduzidos, e se, eventualmente, eles até extinguem os lugares em pé nos estádios, então teremos condições como as que tivemos nos primeiros 12 minutos de hoje", disse Gruszecki à agência de notícias DPA. "Eu não acho que nenhum jogador ou cartola deseja isso."

Weinmann acrescenta que acabar com os lugares de pé "será um desastre. Pense no exemplo da Inglaterra. Sem áreas de pé, determinados grupos sociais seriam marginalizados. Se os preços de um assento são o dobro, logo muitas pessoas vão deixar de ir aos jogos de futebol."

Mas o diretor-executivo da Bundesliga, Christian Seifert, garante que esse não é o objetivo das novas medidas. "Valorizamos a cultura de torcidas que temos", disse Seifert ao jornal britânico The Observer. "Somos a última das grandes ligas com lugares em pé, e ninguém quer tocar nessas áreas. Os clubes estão empenhados em oferecer muitos bilhetes baratos, porque é considerado muito importante na Alemanha que as pessoas que não têm muito dinheiro possam vir ao estádio."

Mas Seifert, também faz uma advertência velada aos fãs, dizendo que se nenhum tipo de acordo for alcançado, os políticos podem entrar em cena. "Há uma ameaça muito real, caso não resolvamos os problemas que temos, de que os políticos nos exijam que tenhamos só assentos, sem lugares de pé, o que poderia levar a um aumento nos preços", disse. Em outras palavras, os torcedores devem aceitar este acordo, sob o risco de terem que engolir uma solução pior.

Autor: Ben Knight (md)
Revisão: Francis França

Leia mais