1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Tony Blair: "Militarismo alemão é coisa do passado"

O chefe do governo britânico elogiou o comportamento da Alemanha na crise internacional provocada pelos ataques terroristas aos Estados Unidos.

default

Blair (à esq.) foi recebido pelo chanceler Schröder, como convidado de honra da convenção nacional do SPD

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, classificou como sinal da modernidade, que a Alemanha se ponha lado a lado com a Grã-Bretanha na luta de defesa contra o terrorismo internacional. Como cidadãos de uma das potências líderes na Europa, os alemães devem ficar orgulhosos por este engajamento e pela solidariedade com os Estados Unidos, afirmou em Nurembergue o convidado de honra da convenção partidária do SPD – Partido Social Democrático da Alemanha. Segundo Tony Blair, o momento atual exige "coragem para demonstrar força". O militarismo alemão pertence ao passado, acrescentou.

O chefe do governo defendeu as medidas rigorosas contra o terrorismo. A Europa foi tão atingida pelos ataques terroristas como os Estados Unidos, afirmou Blair. Mas é preciso demonstrar também o mesmo engajamento na formação de um governo de base ampla em Cabul e na reconstrução do Afeganistão, ressaltou.

Apoio à política de Schröder

Antes do discurso de Tony Blair, os delegados à convenção nacional do SPD tinham aprovado as ações militares como instrumento de combate ao terrorismo, dando assim pleno apoio à política proposta pelo chanceler Gerhard Schröder. Antes da votação, o presidente do SPD e chefe do governo alemão fez um apelo aos delegados para que dessem a sua aprovação às diretrizes oficiais, que são anteriores ao dia 11 de setembro. Schröder conclamou os social-democratas a combaterem energicamente qualquer tipo de antiamericanismo no seio do partido.

No debate a respeito dos fundamentos da política exterior, a maioria dos oradores manifestou completo apoio à linha política do chanceler, ainda que houvessem alguns tons críticos, vindos especialmente daqueles que temem danos à imagem do SPD como partido pacifista.

Links externos