1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

To pink or not to pink? Alemanha na fase rosa

Nostalgia da infância e dos esperançosos anos 50? Ou pura jogada de interesses da indústria da moda? Fato é que a era rosada chegou para ficar na Alemanha. Por – pelo menos – mais sete anos, afirmam especialistas.

default

Jan Ullrich: força pink no Giro da França

Como ignorar o tom ofuscante da malha e capacete do ciclista Jan Ullrich, que está se esfalfando pela Alemanha no Giro da França? Culpado seu patrocinador, a Deutsche Telekom: há alguns anos o pink é a cor-símbolo da operadora de telecomunicações, que até recrutou a Pantera Cor-de-Rosa em pessoa como garota-propaganda. Há quem tenha saudade do azul clarinho da Bianchi...

Mas é inútil resisitir: assim como Picasso, a Alemanha vive sua fase rosa. Calças capri pink, camisetas cor-de-rosa: a cor favorita da Barbie é o último grito deste verão. E não só para a moda feminina: também os homens podem tranqüilamente sair de camisa ou gravata rosa-choque.

O que está por trás dessa tendência, é tema para intermináveis discussões entre especialistas. Parte deles vê aí uma nostalgia do inocente mundo infantil, um sinal positivo em tempos economicamente difíceis. Para os mais cínicos, não há nada no novo matiz, além de manipulação pela indústria da moda.

Evocando os anos 50

Claudia Schiffer als Barbie Puppe

Modelo Claudia Schiffer faz propaganda para a Barbie

Mas se algo é governado pelas leis "do eterno retorno" e do "nada se cria, tudo se transforma", isso é o mundo da moda: por incrível que pareça, a "pinkomania" não é invenção do início do terceiro milênio.

Afinal, Think pink ("Pense rosa") já era uma canção do musical de 1957 Cinderela em Paris ( Funny face, com Audrey Hepburn e Fred Astaire). Em anos recentes transmutou-se em slogan polivalente, de gays, portadoras de câncer da mama a – claro – bonecas anoréxicas, insipidamente louras e ávidas de serem compradas.

Mesmo o trend "Pink Paradiso" já existe há dois ou três anos e só agora alcançou definitivamente o mercado de massa, explica Peter Wippermann, fundador do Trendbüro, de Hamburgo. O "especialista em tendências e designer de comunicação" vê motivos palpáveis para o moda: " Pink é uma cor de criança, assim como o amarelo e o azul claros".

Expressando infantilização, mas também um "suave otimismo", essa cor pastel estaria ancorada na década de 1950, "os anos do reerguimento, de muito trabalho, mas também de muita esperança de um futuro melhor", acrescenta Wippermann.

Agressivo ou adocicado segundo o matiz

Rosarote Zeiten - Pink als Modefarbe

Criação do figurinista italiano Francesco Scognamiglio, na mostra Alta Moda, em Roma

Já a sociopsicóloga Gisla Gniech considera exagerado atribuir significação tão profunda a cores da moda: "As tendências não são expressão do gosto de um povo, mas sim impostas pela indústria da moda".

A professora aposentada ocupou-se da "temperatura" psicológica das cores. Em geral o rosa é percebido como infantil e "adocicado". Porém muito também depende da nuança: "Quanto maior o componente azul, mais dura ela se torna".

Elke Giese, pesquisadora de tendências do Instituto Alemão de Moda, confirma esse ponto de vista. O cor-de-rosa é expressão de uma moda eminentemente feminina, "entretanto existem todas as variantes possíveis, do agressivo pink ao suave rosé", especifica.

O futuro é prata

Para Giese, a carreira do tom infantil está longe de terminar: "A tendência se estenderá pelo inverno, até o próximo verão. Hoje em dia, as cores da moda costumam durar mais do que há 20 anos. Além disso, já não há mais uma única cor da temporada."

O designer Wippermann até arrisca um cronograma preciso da "era rosa": "Ela durará ainda cerca de sete anos, até que se haja experimentado todas as formas lúdicas da infantilização e do retrocesso positivo aos anos 50".

O que vem a seguir se manifestará primeiro nos círculos mais diretamente ligados à moda. O prateado – símbolo da abertura para a tecnologia e cor preferida da new economy – vem sendo, por exemplo, muito empregado pelos grafiteiros.

Die Sängerin Pink

A cantora Pink com o seu penteado cor-de-rosa

Abobrinha rosada, para encerrar – Confirmando a fase cor-de-rosa que assola a Alemanha, e provando que essa cor é bem mais do que roupinha de bebê, neste verão a cantora Alecia Moore está atravessando o país em turnê de sucesso. Difícil saber a que atribuir mais o entusiasmo dos fãs, se a sua música berrante ou às roupas louquíssimas e penteados eternamente mutantes.

Ah sim, em tempo: Alecia é o nome verdadeiro da norte-americana Pink.

Leia mais