″Tiro meu chapéu para Tarantino″, diz ator austríaco Christoph Waltz | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 29.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Tiro meu chapéu para Tarantino", diz ator austríaco Christoph Waltz

Vencedor da Palma de Ouro em Cannes, Christoph Waltz fala sobre sua atuação em "Bastardos Inglórios", a colaboração com Quentin Tarantino e como o cinema deve abordar outras épocas históricas.

default

Christopher Waltz como o nazista Hans Landa

Cerca de 2 mil convidados puderam acompanhar na noite desta terça-feira (28/07) em Berlim a estreia na Alemanha de Bastardos Inglórios, novo filme de Quentin Tarantino.

Além do próprio diretor, estiveram presentes o ator Brad Pitt e todo o elenco de língua alemã do filme, que inclui entre outros Christoph Waltz, Til Schweiger, Daniel Brühl e Diane Krüger.

A película conta a história de um grupo de soldados judeus norte-americanos que se incumbe de matar nazistas na França ocupada. Eles são conhecidos como The Basterds (os bastardos).

Waltz faz o papel de um coronel nazista. Por sua interpretação recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes. Durante a cerimônia de estreia, ele conversou com a Deutsche Welle sobre o seu personagem e o trabalho com Tarantino.

Deutsche Welle: Você recebeu a Palma de Ouro em Cannes pela sua interpretação do coronel Hans Landa. A distinção abriu novas chances para você?

Christoph Waltz: Não de uma hora para a outra, mas elas começam a aparecer. Há opções. Vamos ver no que elas vão dar.

Como você foi incluído no elenco do filme?

Da forma tradicional. Eu quase diria convencional, mas o que se entende por convencional mudou muito nos últimos anos. Hoje é geralmente um grupo de faroleiros sem noção de nada, tentando testar os outros em coisas que nem eles mesmos sabem. E isso com a mais moderna tecnologia, para registrar tudo para alguma pessoa ausente que vai acabar tomando a decisão.

Quentin Tarantino und Christoph Waltz

Com Tarantino: elogios mútuos

No caso do Tarantino foi completamente diferente. Um senhor extremamente atencioso me convidou para uma entrevista. E só depois de a gente ter se conhecido um pouco é que veio a pergunta: será que daria para ler um trecho do roteiro? Isso deu uma sensação de leveza, de segurança. Ele descontraiu a situação em vez de fazer pressão. Não havia nem mesmo uma câmera – afinal, para quem Tarantino ainda precisaria exibir o teste?

Como se cria diante da câmera um Landa como esse, um monstro charmoso?

Quem lê o roteiro sabe mais. Eu gosto de me manter fiel ao que o autor diz. Além do mais, diante de um Tarantino, de uma tal obra, percebe-se que o roteiro não trata da gente em si, mas sim de uma personagem imaginada por Tarantino.

Você é um ator de língua alemã que faz o papel de um nazista num filme de Hollywood. Como você abordou seu personagem? Você deixou de lado esse complexo que os alemães carregam consigo?

Muito pelo contrário, me entreguei completamente a ele. Tenho uma outra leitura disso: não vejo como tarefa do cinema ser didático, especialmente no que concerne à história. E ainda mais no que concerne a essa parte da história.

Acho que o cinema deve tratar de nós mesmos, que vivemos hoje e vamos assistir ao filme. Em consequência, considero irresponsável fazer filmes que deem a impressão de apresentar a verdade.

O que você procura no seu personagem, então?

Esse é o tema desse filme: o que temos para lucrar, o que há para se alcançar? Certamente não a confirmação do que já sabemos de uma forma ou de outra. Isso nós já interiorizamos em toda sua abrangência moral.

Para que ainda precisamos mostrá-lo? Como ação de marketing. Não me ocorre nada além disso. Convencer a nós mesmos de que estamos do lado certo vira uma estratégia de marketing. Afinal, quão falso é possível ser?

Procuro no personagem tudo o que realmente desperta questionamento. Um filme não me permite participar de um acontecimento histórico, mas através do meu papel posso participar da arte. E tiro meu chapéu para Tarantino como artista. O filme nos permite obter uma nova perspectiva do mundo. E uma nova perspectiva pode modificar nossa realidade.

E como o filme pode mudar a realidade?

Não a realidade, mas a maneira como a vemos. A realidade você mesmo terá que mudar.

Depois do filme houve elogios mútuos entre você e Tarantino. Entre outras coisas, ele disse que você lhe devolveu o filme. O quanto ele é responsável por você ter aportado tão fortemente seu talento como ator ao filme?

99,99 porcento.

AS/dw

Revisão: Simone Lopes

Leia mais