1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Tesouro de Munique" vai a público pela primeira vez

Exposições na Alemanha e na Suíça exibem obras confiscadas pelo regime nazista. Trabalhos integravam coleção de mercador de arte de Hitler, que esteve escondida por décadas.

Gurlitt-Ausstellung in Bern (picture-alliance/dpa/Peter Klaunze)

Funcionários do Museu de Arte de Berna posicionam para exposição o quadro "Leonie", de Otto Dix

Quase seis anos depois de as autoridades terem confiscado centenas de obras de arte em várias casas do colecionador alemão Cornelius Gurlitt, duas exposições, na Alemanha e na Suíça, levam o acervo ao público pela primeira vez, a partir desta quinta-feira (02/11).

O projeto, chamado "Dossier Gurlitt”, inclui duas exibições, em Bonn, no oeste da Alemanha, e Berna, na Suíça, com cerca de 450 trabalhos. A mostra traz peças roubadas pelos nazistas de proprietários judeus e obras consideradas "arte degenerada" pelo regime do Terceiro Reich.

Apelidada de "Tesouro de Munique", a coleção foi descoberta em 2012. Cerca de 1.200 peças eram mantidas pelo octogenário em seu apartamento em Munique e em torno de 250 estavam na casa que ele possuía em Salzburg, na Áustria.

O acervo inclui criações de artistas famosos, como Monet, Cézanne, Renoir, Dix, Nolde e Beckmann. Cornelius Gurlitt, herdara a coleção de seu pai, Hildebrand Gurlitt, um dos mercadores de arte de Adolf Hitler.

A exposição inaugurada nesta quinta-feira no Museu de Arte de Berna se chama "'Arte degenerada' – confiscada e vendida" e inclui cerca de 200 obras da Coleção de Gurlitt, peças que o regime de Hitler confiscou de museus e outras instituições por considerar produtos "inferiores”, "não germânicos”, produzidos por "judeus” ou "comunistas”.

Os nazistas não se importavam em comercializar aqueles trabalhos para financiar sua máquina de guerra. Entre as atrações, estão pinturas expressionistas e construtivistas de artistas como Otto Dix e Franz Marc.

Quadro Cinzas II, de Edvard Munch

Quadro "Cinzas II", de Edvard Munch, é uma das obras exibidas em Bonn cuja origem ainda não foi esclarecida

A origem das obras

Já em Bonn, a exposição, aberta no museu Bundeskunsthalle na sexta-feira, sob o nome "O roubo de arte nazista e suas consequências”, tem como foco a origem dos trabalhos que foram confiscados pelo regime nazista – em grande parte, de colecionadores judeus. A mostra traz obras de mestres como Claude Monet e Albrecht Dürer, que ficaram escondidas do público por décadas.

Antes de morrer, em maio de 2014, aos 81 anos, Cornelius Gurlitt doou a coleção para o Museu de Arte de Berna. Um acordo fechado entre o museu e o autoridades alemãs estipulou que a força-tarefa estabelecida pelo governo alemão para investigar a origem das obras continuasse seus trabalhos visando determinar se elas foram de fato roubadas e a quem elas pertenciam. A intensão é que todas as peças saqueadas sejam devolvidas aos herdeiros dos antigos proprietários.

Os especialistas inicialmente identificaram mais de 90 trabalhos que provavelmente foram saqueados pelos nazistas, incluindo obras de Henri Toulouse-Lautrec, Henri Matisse, Edvard Munch e Rembrandt. Apenas quatro obras – incluindo uma pintura de Camille Pisarro – foram devolvidas aos herdeiros legítimos até agora.

A exposição em Berna vai até 4 de março de 2018. Em Bonn, a exibição fica em cartaz até 11 de março.

MD/dpa/ap

Leia mais