Terroristas não alcançaram seu objetivo na Alemanha, afirma presidente do Bundestag | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 19.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Terroristas não alcançaram seu objetivo na Alemanha, afirma presidente do Bundestag

Norbert Lammert elogia reação cautelosa dos alemães ao atentado terrorista em Berlim e afirma que leis de segurança devem ser revistas, mas isso não pode significar menos liberdade.

Deutschland Bundestag Gedenken an die Opfer des Anschlags am Breitscheidplatz (picture-alliance/dpa/K. Nietfeld)

Norbert Lammert (centro) discursa em homenagem às vítimas de atentado de Berlim

Numa cerimônia em homenagem às vítimas do atentado terrorista a um mercado de Natal de Berlim, em dezembro passado, o presidente do Bundestag (Parlamento alemão), Norbert Lammert, disse nesta quinta-feira (19/01) que o país precisa "repensar a sua arquitetura de segurança". Ele salientou, no entanto, que isso não deve ser feito às custas da liberdade.

"O terrorismo busca abalar as sociedades democráticas, paralisá-las, desestabilizá-las. Esses objetivos os terroristas não alcançaram na Alemanha", avaliou Lammert, elogiando a postura cautelosa da população perante o ataque. Segundo o presidente do Parlamento, "os alemães demonstraram que não deixam as ameaças e o medo ditarem as suas vidas".

Em referência às informações de que o tunisiano Anis Amri não foi impedido de executar o atentado apesar de ter apresentado sucessivos indícios de sua periculosidade, o presidente do Parlamento disse que essa situação força os políticos a "repensar a arquitetura de segurança de nosso país". Ele advertiu, porém, para a importância de se preservar as liberdades constitucionais.

"A liberdade precisa da segurança para ser confiável, e a segurança precisa da liberdade para não degenerar em repressão", afirmou Lammert. "Sistemas autoritários comprovadamente não são mais seguros. Eles vendem a ilusão de uma grande proteção através da negação de direitos inalienáveis de liberdade." E acrescentou: "O Estado de Direito não fracassou, ele apenas não esgotou seu meios."

Lammert também ressaltou ainda que o foco não deve estar no combate ao islã, mas ao fanatismo. Refugiados, segundo o parlamentar, devem continuar a receber abrigo na Alemanha, mas "precisam obedecer suas leis e normas incondicionalmente".

Vários representantes do governo estavam presentes na cerimônia, além do presidente alemão, Joachim Gauck, que nesta quarta-feira pronunciou seu último discurso antes de deixar o cargo.

No dia 19 de dezembro, o tunisiano Anis Amri avançou com um caminhão contra um mercado de Natal da capital alemã, deixando 12 mortos e cerca de 50 feridos. Dias depois, ele foi morto num confronto com dois policiais em Milão, na Itália.

IP/ard/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados