1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Termelétricas alemãs estão entre as mais poluentes da UE

Estudo inclui dez termelétricas da Alemanha entre as 30 mais prejudiciais ao clima na UE, arranhando a imagem do país que lidera redução das emissões de CO2 no bloco. Bruxelas critica planos para usinas a carvão fóssil.

default

Termelétrica Jaenschwalde em Brandemburgo

De acordo com um estudo do Instituto de Ecologia Aplicada (Öko-Institut) de Freiburg, encomendado pela ONG ambientalista WWF e divulgado nesta quinta-feira (10/05) em Berlim, dez termelétricas alemãs estão entre as 30 mais poluentes da União Européia.

Seis dessas usinas estão localizadas no estados da Renânia do Norte-Vestfália, de Brandemburgo e da Saxônia. A líder alemã neste ranking negativo é a termelétrica de Niederraussen, na Renânia, que em 2006 teria emitido 27,6 toneladas de CO2 (veja a lista abaixo em PDF).

A termelétrica mais poluidora da UE, de acordo com o estudo, é a de Ágios Dimitrios, na Grécia, que despeja 1,35 kg de CO2 na atmosfera por quilowatt/hora gerado.

Segundo o WWF, a análise baseou-se em dados levantados em 2006, no âmbito do comércio de emissões. O estudo mostrou que, no ano passado, as "trinta termelétricas mais sujas" foram responsáveis pela emissão de 393 milhões de toneladas de CO2, o que corresponde a 10% das emissões européias.

Críticas a novos projetos

O WWF conclamou o governo em Berlim a finalmente cortar os subsídios e privilégios concedidos à "geração de energia prejudicial ao clima" à base de linhita [um tipo de carvão fóssil de cor acastanhada e com alto teor de carbono].

Essa política, acrescenta a organização ecológica, contradiz o discurso da chanceler federal alemã, Angela Merkel, que faz uma campanha mundial pela redução das emissões dos gases do efeito estufa e pelo uso de métodos alternativos de geração de energia.

Os planos da Alemanha, de construir pelo menos mais 26 novas termelétricas a carvão fóssil, vem sendo criticados pela Comissão Européia. O comissário de Meio Ambiente da UE, Stavros Dimas, lembrou que, sob a presidência alemã, o bloco decidiu reduzir em 20% as emissões de C02 até 2020.

A UE terá nos próximos 20 anos uma demanda adicional de 100 mil megawatts de energia. Por isso, vários países tentam aumentar a eficiência de suas termelétricas. Em média, termelétricas a carvão produzem duas vezes o volume de CO2 emitido por termelétricas a gás e até 70 vezes mais do que as hidrelétricas.

Arranhando a imagem do país

As termelétricas a linhita não só poluem o ar como também arranham a imagem da Alemanha como o país que, segundo a Agência Européia de Meio Ambiente, é líder europeu na proteção ao clima.

"Em 2005, a Alemanha foi o país que mais contribuiu com a redução do efeito estufa na UE, à frente da Finlândia e da Holanda", revelou um perito da agência na quarta-feira (09/05) em Copenhague, referindo-se a um relatório a ser divulgado em junho próximo.

De acordo com dados fornecidos por Berlim a Bruxelas, a Alemanha reduziu em 2,5% as emissões de CO2 e outros gases prejudiciais ao clima, enquanto a média européia em 2005 foi de apenas 0,8%. O país é responsável por cerca de 25% das emissões dos 15 "antigos" membros da UE. (gh)

Leia mais

Downloads