1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Tempestade de neve nos EUA deixa mais de 650 mil casas sem energia elétrica

Após a passagem da tempestade de neve "Nemo", a situação na costa leste dos Estados Unidos vai voltando ao normal. A tormenta custou a vida de pelo menos dez pessoas. Precipitação bateu recordes.

A tempestade de neve que atingiu a costa leste dos Estados Unidos, entre Nova York e Boston, neste final de semana deixou mais de 650 mil casas sem energia elétrica. Neste domingo (10/02), a interrupção no fornecimento de eletricidade ainda afetava cerca de 400 mil pessoas que vivem nas regiões rurais dos estados de Massachusetts, Connecticut e Rhode Island.

A tormenta que passou entre a noite de sexta-feira e a manhã de sábado causou o cancelamento de mais de 6.600 voos. O tráfego aéreo ainda não foi normalizado e algumas conexões aéreas podem sofrer atrasos. No sábado, todo o tráfego ferroviário da região foi interrompido.

USA Ostküste Schneesturm

Após a passagem da tempestade, começam trabalhos de remoção da neve

Vítimas fatais

A nevasca causou a morte de pelo menos dez pessoas. Em Boston, dois jovens, de 11 e 20 anos de idade, respectivamente, morreram envenenados por dióxido de carbono, quando tentavam se aquecer num carro. Em New Hampshire, Connecticut e Nova York, acidentes de trânsito causados pela intempérie fizeram três vítimas fatais. Em Danbury, um homem morreu em decorrência de uma queda, após escorregar em sua varanda nevada.

Nos estados de Nova York e Connecticut, três pessoas foram vítimas de acidentes durante a remoção da neve. Por fim, um homem foi encontrado morto sob um monte de neve diante de sua casa, também em Connecticut.

Apesar do fim da tempestade apelidada "Nemo", o governador de Connecticut, Dannel Malloy, pediu à população que permaneça em casa, para não atrapalhar o trabalho de limpeza das ruas. Muitas cidades acusaram uma precipitação recorde de neve. Em Milford, por exemplo, esta chegou a 95 centímetros.

CN/dpa/afp/rtr
Revisão: Augusto Valente

Leia mais