1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Temos que nos preparar para outros ataques", diz Hollande

Em discurso para diplomatas, presidente francês diz que o país ainda está exposto ao terrorismo. Ele pede à Turquia mais empenho contra "Estado Islâmico" e que Irã contribua mais para solução de crises na região.

O presidente François Hollande alertou nesta terça-feira (25/08) que a França "ainda está exposta" e deve se preparar para mais ataques, dias depois de um ataque a um trem de alta velocidade ter sido evitado por passageiros.

"Nós estamos sempre expostos. E a agressão que ocorreu na sexta-feira podia ter gerado uma carnificina monstruosa. Ela é a prova de que temos de nos preparar para outros ataques e, assim, protegermos a nós próprios", afirmou o chefe de Estado francês durante um encontro com diplomatas.

O alerta foi feito dias depois da detenção do marroquino Ayub el-Khazzani, de 25 anos, na sequência de um ataque frustrado contra um trem que fazia a ligação entre Paris e Amsterdã. Ele nega qualquer ligação com grupos radicais islâmicos e alega que tentava assaltar o trem para ter dinheiro para comprar comida.

Apelo à Turquia

No mesmo discurso para embaixadores franceses, centrado na política externa, o presidente francês disse que a Turquia deve fazer mais para enfrentar o "Estado Islâmico" na Síria e apelou para que Ancara restaure o diálogo com grupos curdos, após lançar ataques contra eles há mais de um mês.

"Todos os envolvidos devem ser parte da solução. Penso nos estados árabes do Golfo e no Irã. Penso na Turquia, que precisa ser envolvida na luta contra o 'Estado Islâmico' e precisa reiniciar o diálogo com os curdos", disse Hollande.

Hollande reiterou que o presidente Bashar al-Assad não pode fazer parte do futuro da Síria, mas que há sinais de que uma transição política pode ser encontrada.

A França, que tem participado em ataques aéreos contra o EI no Iraque, mas não na Síria, afirma que não há planos para mudar essa política. "Vamos continuar ajudando a oposição síria e participando da coalizão no Iraque, garantindo que seja mais eficaz", disse ele.

Hollande também ressaltou que o acordo alcançado com o Irã sobre seu programa nuclear abriu uma oportunidade para incluir o país na solução de crises regionais, como na Síria, onde Teerã é aliado de Assad. "Temos que pedir ao Irã que associe na solução de crises que assolam a região", disse Hollande.

MD/rtr/afp/lusa

Leia mais