1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Temer tem reprovação recorde de 77%, diz Ibope

Peemedebista tem pior desempenho entre presidentes da República em mais de três décadas, com aprovação de apenas 3%. Trata-se de sua quarta queda consecutiva de popularidade desde que assumiu a presidência.

Michel Temer

Dos entrevistados, 59% avaliaram a gestão de Temer como pior do que a de Dilma

O governo do presidente Michel Temer é avaliado como ótimo ou bom por apenas 3% dos brasileiros, e 77% o classificam de ruim ou péssimo, segundo pesquisa do Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada nesta quinta-feira (28/09). Na pesquisa anterior, em julho, esse percentual foi de 70%.

Este é o pior desempenho na avaliação do governo de um presidente da República desde o início da série da pesquisa Ibope, em 1986, no governo de José Sarney. O segundo pior resultado havia sido justamente a marca anterior de Temer, de 70% de reprovação – percentual idêntico ao atingido pela ex-presidente Dilma Rousseff em dezembro de 2015.

Além disso, a pesquisa do Ibope revelou que 16% classificam como regular e outros 3% não souberam opinar ou não responderam. Nos mesmos critérios em julho, o percentual para ótimo e bom foi de 5% e para regular foi de 21%.

No levantamento atual, 59% dos entrevistados avaliaram a gestão de Temer como pior do que a de Dilma. Apenas 8% afirmaram ser melhor. Além disso, 92% dos questionados alegaram não confiar no presidente da República – em julho eram 87%. Apenas 6% disseram confiar em Temer. A pesquisa também perguntou a opinião dos entrevistados sobre a maneira de governar de Temer: 7% aprovam, enquanto 89% desaprovam.

O levantamento atual, encomendado pela CNI, foi realizado entre 15 e 20 de setembro. Duas mil pessoas foram entrevistadas em 126 municípios. Esta foi a quarta piora consecutiva na avaliação do governo numa pesquisa realizada em conjunto por Ibope e CNI. Em setembro de 2016, a reprovação ao governo Temer era de 39%. Em dezembro, era de 46%, antes de saltar para 55%, em março, e 70% em julho.

PV/ots

Leia mais