Temer se reúne com centrais sindicais | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Temer se reúne com centrais sindicais

Presidente interino realiza encontro para discutir reforma da Previdência. Sindicalistas criticam proposta de criar idade mínima para aposentadoria e afirmam que trabalhadores não podem pagar conta da crise econômica.

O governo interino de Michel Temer começou a tratar nesta segunda-feira (16/05) de um dos temas mais delicados a que se propôs a resolver, a reforma da Previdência, em reunião no Palácio do Planalto com representantes de centrais sindicais.

Dizendo-se dispostos ao diálogo, os sindicalistas manifestaram preocupação com a proposta defendida pelo novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de criar uma idade mínima para a aposentadoria. Eles avaliam que há uma série de medidas que podem ser tomadas antes de se pensar em alterar as regras da previdência, e repetem a defesa de que os trabalhadores não podem pagar a conta da crise econômica.

Segundo Antônio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), os trabalhadores estão abertos à discussão, mas não há como aceitar a idade mínima. "Essa maldade já foi feita", disse, quando o governo criou a fórmula 85/95 progressiva, que determina a aposentadoria quando a soma da idade e tempo de contribuição dos homens for 95 anos, e das mulheres, 85.

Um dos aliados do governo Temer, o deputado Paulinho da Força (SD-SP), líder da Força Sindical, disse estar convencido de que não é necessária uma reforma da Previdência para equilibrar as contas públicas. Ele defendeu que primeiro o governo acabe com desonerações e com sonegações fiscais, classificando o estabelecimento de idade mínima para aposentadoria como "coisa de maluco". "Idade mínima penaliza os mais pobres, aqueles que começam a trabalhar antes."

Grandes entidades que representam a categoria e condenaram o processo de impeachment contra a presidente afastada, Dilma Rousseff, não participam da reunião. É o caso da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Antes mesmo de Temer assumir, as centrais simpáticas ao impeachment de Dilma se reuniram com o então vice-presidente para pedir a manutenção dos direitos trabalhistas e previdenciários. À época, ele não se comprometeu com nenhuma posição.

LPF/rtr/abr

Leia mais