1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Tchau, Alemanha!

Um número crescente de alemães vira as costas para os problemas econômicos do país e busca melhor pagamento e melhores condições de trabalho no exterior. Mas dizer adeus nem sempre é fácil.

default

Voar em busca de melhores perspectivas

Em 2003, o governo alemão registrou 127 mil casos de alemães que se mudaram para o exterior. O número deve ser mais alto ainda, pois muitos saem sem informar as autoridades de sua decisão.

"São sempre os mais fortes, os mais dinâmicos e os mais dispostos a arriscar que se vão", resume Klaus Bade, professor no Instituto de Pesquisa de Migração e de Estudos Interculturais (IMIS) de Osnabrück. "E a tendência é crescente."

Por outro lado, todos os anos retornam à Alemanha milhares de pessoas após períodos mais longos no exterior, mas seu número não é suficiente para compensar o de emigrantes. É como se ano por ano desaparecesse uma cidadezinha de 20 mil habitantes.

Entre os chamados migrantes laborais, muitos são acadêmicos altamente qualificados, que saem atraídos por melhores condições de pesquisa – nos Estados Unidos ou Canadá, por exemplo. No além-mar, existe uma verdadeira caça à mão-de-obra qualificada proveniente da Alemanha.

"É um absurdo", diz Bade. "Estamos exportando especialistas para o Ocidente e importando tratoristas e trabalhadores rurais do Leste."

Oportunidades e riscos

Ir para o exterior tem muitas vantagens: um melhor salário, por exemplo. Um professor em Buenos Aires ganha o dobro do que um professor em Berlim. Também existe numa cultura estrangeira com freqüência maior reconhecimento, dependendo do trabalho. E a ascensão profissional pode ser mais fácil. Isso sem falar nos benefícios de se ficar conhecendo uma outra cultura.

"A atração tornou-se definitivamente maior", constata Klaus Bade, acrescentando que os migrantes laborais ficam hoje mais tempo no exterior do que ocorria antigamente.

Mas viver e trabalhar no exterior também tem suas ciladas, tais como as dos mal-entendidos culturais. No Japão, por exemplo, um funcionário que não cochilar durante uma reunião dará a impressão de não estar trabalhando o suficiente. Já a maneira direta de ser dos alemães não é apreciada em toda parte.

Também para a família, a mudança para um país estranho pode trazer problemas: comida e costumes estranhos, novas escolas para as crianças. Quanto mais longe o país, maiores as dificuldades também após o retorno à Alemanha.

Fuga de cérebros

Na Alemanha, o número crescente de emigrantes em busca de melhores condições de trabalho gera consternação e intensos debates. O receio de que a elite volte as costas para o país é expresso na expressão – freqüentemente usada neste contexto – da "fuga dos cérebros". Para o professor Bade, porém, o maior problema é a falta de números exatos, representativos.

As estatísticas sobre os emigrantes não incluem dados sobre a profissão dos que se vão. Portanto, ninguém sabe com certeza de quantos físicos estrangeiros o país precisaria para substituir os que foram para o exterior.

"No que diz respeito à imigração, a Alemanha encontra-se num vôo cego", diz Bade. O professor deposita esperanças no Instituto Federal de Pesquisa Populacional e de Migração, que terá por tarefa, a partir de 2005, elaborar estatísticas consistentes sobre a migração no país motivada por trabalho.

Leia mais