1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Taxa básica de juros da zona do euro baixa para nível histórico

BCE fixa taxa para empréstimos a bancos em 0,75%, na terceira redução desde a posse de Mario Draghi à frente do banco. Mercados financeiros mostram-se decepcionados, pois esperavam medidas adicionais. Euro cai, Dax sobe.

A luta contra a crise de endividamento obrigou o Banco Central Europeu (BCE) a uma redução histórica da taxa básica de juros para 0,75%, nesta quinta-feira (05/07). A medida foi decidida por unanimidade numa reunião do conselho da instituição. É a primeira vez na história da União Monetária Europeia que os juros chegam abaixo da marca de 1%, até então considerada tabu.

Os mercados financeiros já contavam com a decisão, mas reagiram com decepção, devido à ausência de outras medidas monetárias. Após a divulgação pelo BCE, o euro caiu mais de 0,5%, ficando em menos de 1,25 dólar. Em contrapartida, o Dax, da Bolsa de Frankfurt, e outros índices elevaram-se ligeiramente.

Medida de aquecimento

Os bancos tomam emprestado dinheiro do BCE segundo a taxa básica de juros, e o repassam a empresas e consumidores, na forma de créditos. Quando ela é pequena, os créditos para aquecimento da economia e para a construção civil também ficam baratos.

Mario Draghi, chefe do BCE

Mario Draghi, chefe do BCE

Desde que Mario Draghi assumiu a presidência do banco sediado em Frankfurt, no último trimestre de 2011, esta é a terceira vez que a taxa básica é reduzida – as demais foram em novembro e dezembro passados. Draghi declarou após a reunião do conselho que os bancos precisam fortalecer a própria resistência e apresentar balanços sólidos, de forma a fornecer suficiente capital para a economia.

Com esta nova redução, o Banco Central espera aquecer a enfraquecida conjuntura da zona do euro e injetar capital nas instituições bancárias abaladas. Economistas e observadores profissionais colocam em dúvida se a medida cumpre tal meta.

De Copenhague a Pequim

Pouco antes da instituição europeia, o Bank of England também relaxara seu curso monetário, embora sem tocar na taxa básica de 0,5%. Em vez disso, os britânicos pretendem colocar mais dinheiro em circulação, após apenas dois meses de pausa.

Sede do Bank of England em Londres

Sede do Bank of England em Londres

O banco dirigido por Mervyn King pretende comprar mais 50 bilhões de libras (62,5 bilhões de euros) em títulos de dívida pública, nos próximos meses, imprimir mais dinheiro e usá-lo para auxiliar a real economia e o sistema bancário.

Em reação à medida do BCE, o banco central dinamarquês reduziu sua taxa básica de juros de 0,25% para 0,2%. A instituição monetária da China igualmente relaxou sua política monetária nesta quinta-feira, a fim de manter em andamento o boom econômico no país.

AV/rtr/afp/dw/dapd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais